Stravinsky Conducts Stravinsky, Vol. 9 e Vol. 10

Quando eu posto com menor frequência, sinto-me na obrigação de fazer uma postagem especial. E eu adoro Stravinsky, aquele danadinho.

Sempre na busca da beleza e da verdade, P.Q.P. Bach abriu e digitalizou a página 69 e as seguintes de seu livro Igor and Vera Stravinsky – a photograph album (presente de um amigo músico que sabe de minha admiração pela MÚSICA de Igor) para revelar o homem, o macho Igor Stravinsky.


Ah, apesar da fraldinha, os CDs postados são ESPETACULARES, resultado do talento de um grande compositor, aqui em sua fase neoclássica.


Mas… vocês viram o tamanho… o tamanho… o tamanho da vaidade do bofe?


Haja vaidade neste minúsculo e — ui! — musculoso russinho.

Stravinsky Conducts Stravinsky, Vol. 9 e Vol. 10

0-01 Fireworks, Op.4 (recorded January.mp3

0-02 Ode.mp3
0-03 Ode.mp3
0-04 Ode.mp3

0-05 Four Norwegian Moods.mp3
0-06 Four Norwegian Moods.mp3
0-07 Four Norwegian Moods.mp3
0-08 Four Norwegian Moods.mp3

0-09 Circus Polka.mp3

0-10 Ebony Concerto.mp3
0-11 Ebony Concerto.mp3
0-12 Ebony Concerto.mp3

0-13 Chanson russe for Violin and Pian.mp3

1-01 Le Baiser de la fee – Scene I -.mp3
1-02 Le Baiser de la fee – Scene II.mp3
1-03 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-04 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-05 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-06 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-07 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-08 Le Baiser de la fee – Scene III.mp3
1-09 Le Baiser de la fee – Scene IV.mp3

1-10 Symphony in C – Moderato all br.mp3
1-11 Symphony in C – Larghetto.mp3
1-12 Symphony in C – Allegretto.mp3
1-13 Symphony in C – Largo.mp3
1-14 Symphony in C – Rehearsal fragm.mp3

2-01 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-02 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-03 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-04 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-05 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-06 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-07 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-08 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-09 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-10 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-11 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-12 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-13 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-14 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-15 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-16 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-17 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-18 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-19 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-20 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-21 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3
2-22 Pulcinella – Ballet with Song i.mp3

2-23 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-24 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-25 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-26 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-27 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-28 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-29 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-30 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-31 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-32 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3
2-33 L’Histoire du Soldat – Suite -.mp3

2-34 Octet for Wind Instruments – I..mp3
2-35 Octet for Wind Instruments – II.mp3
2-36 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-37 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-38 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-39 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-40 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-41 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-42 Octet for Wind Instruments – Va.mp3
2-43 Octet for Wind Instruments – Fi.mp3

BAIXE AQUI O VOL. 9 – DOWNLOAD VOL. 9 HERE

BAIXE AQUI O VOL. 10 – DOWNLOAD VOL. 10 HERE

PQP

28 comments / Add your comment below

  1. PQP, você sabe porque ninguém comentou nada aqui até agora? Porque o Milton Ribeiro, com o seu “Porque hoje é sábado”, tem um gosto mil vezes mais refinado do que o do senhor, e enquanto este se superou nesta presente data com um post maravilhoso, o senhor me faz isto aqui! Vá dar uma olhada por lá, dê alguns ‘copy paste’ e reformule este post, por favor. Mas continuo com o meu grande abraço!

  2. Ah, finalmente um post homoerótico nesse sítio admirável! Música e homens – que maravilhosa combinação! Sinto-me obrigado a louvar a iniciativa de Herr PQP, que soube acolher a diversidade sexual, par a par com a diversidade musical! Enviarei imediatamente a Herr PQP algumas gravuras lu-xu-o-sas do jovem Beethoven nu, assim como um retrato de Bach na intimidade feito por Anna Magdalena.
    Saudações!

  3. (extraído do blog http://libroslibresmusicalibre.blogspot.com/
    (Libros libres Música libre)

    …………………………………………………..
    Celibidache contra todo
    El mundo musical está poblado de ‘gallinas’, ‘fascistas’ e ‘ignorantes’, según el director
    ANDRÉS F. RUBIO – Madrid – 11/10/1991

    El director de orquesta Sergiu Celibidache, de 79 años, desató ayer sus truenos circenses en la Residencia de Estudiantes de Madrid. ¿Una lección magistral? Celibidache derrochó ingenio y emoción y los asistentes se entregaron a sus palabras con igual intensidad que en un concierto. Quedó clara su alergia a las grabaciones discográficas, su odio por el sistema del estrellato musical, su independencia rabiosa, su egomanía, los destellos de un profundo saber y las maldades que le han hecho famoso. La joven, bella y famosa instrumentista alemana Anne-Sophie Mutter se llevó la peor parte. “Es como una gallina que está tocando el violín”, dijo de ella.
    “iHe resistido!”, clamó Celibidache, uno de los miembros más ilustres de la diáspora cultural rumana. “Siento la enorme satisfacción de no haber cedido jamás a un solo compromiso. Para ello, he tenido que pelear con una larga lista de cretinos investidos de una dudosa autoridad”.A partir de ahí, Celibidache hizo honor a su reputación de decir siempre lo que piensa. Y su pensamiento es paradójico, fenomenológico y extremo. Una frase suya se podría interpretar corno disculpa a sus salidas, en ocasiones extemporáneas: “Por naturaleza soy exagerado, siempre me han interesado los extremos”.
    El director de orquesta ofrece hasta el próximo sábado en Madrid una serie de conciertos, con la Filarmónica de Múnich, en el Auditorio Nacional. La sala sinfónica de este recinto fue también objeto de su afán crítico, cuando calificó de “cursi” su acústica, para matizar acto seguido que “es un poco cruda, gritada, en voz alta, sin contenido”.
    Al final de su charla de ayer, que duró dos horas, el compositor Carmelo Bernaola echó de menos preguntas musicales, ya que el público se inclinó por recabar la opinión del músico sobre autores, directores y solistas.
    “Un ejemplo trágico de mi vida”, dijo, “ha sido el violinista Itzhak Perlman, con el que interpreté hace mucho tiempo el Concierto en sol menor de Prokofiev. Yo hubiera apostado por él entonces. Hace dos años volvi a actuar con él y fue un desastre. La diferencia es que la primera vez no tenía ni para un par de pantalones, y en la segunda ya disponía de una abultada cuenta corriente”.
    Un espectador habló del director de orquesta como protagonista, y Celibidache comenzó una airada diatriba contra esta palabra, empezando por Toscanini. “Es el peor músico de todos los tiempos”, dijo, “alguien que confundió la dicción con el valor de la idea. Y, sin embargo, consiguió ser el gran protagonista, no hubo mayor resonancia que la suya, él, que era un ignorante total. ¿Protagonista?, ¿para quién?”
    Sombras para un espíritu
    La industria musical de la actualidad está llena de sombras para un espíritu como el de Celibidache. “Los ensayos no producen nada, y los conciertos casualmente producen dinero. Así que lo único que montan son conciertos. No hay orquesta en Estados Unidos en la que te dejen hacer más de dos ensayos. Esa es la cara del mundo musical de hoy”.El vedetismo tuvo su máxima representación en el fallecido Herbert von Karajan, sobre el que hay mucho que decir, según Celibidache: “Su gran talento no ha servido para nada a la música. Tenía poco de músico y mucho de ministro de Exteriores. Uno de sus contratos en Japón incluía una cláusula para visitar al emperador, y en otro contrato pedía seis motocieletas, dos coches, el coche en el que iba él, y otras seis motocicletas. Para vomitar”.
    También explicó por qué no graba discos: “¿Qué tiene que ver una grabación discográfica con la música? Absolutamente nada. Es la negación del momento artístico. Con el disco se hundió el mundo musical. Cuando yo era joven había 15 directores, hoy no hay uno solo en toda Alemania”.
    Una lista de nombres a los que Celibidache dedicó ayer comentarios incluye al citado Toscamm (“fue miembro del partido fascista italiano”) y a Daniel Bareriboim (“Su talento como pianista es único, pero como director no logra las sonoridades que en su piano son fantásticas; le acecha, además, un enorme peligro: no sabe decir no”). Sobre Bruckner: “El más grande sinfonista de todos los tiernpos”. Sobre Mahler: “Uno de los peores ignorantes de todos los tiempos”.
    Tres frases sueltas: “Todo lo que la gente piensa de Dios no puede ser”. “El tiempo es la fotografía de la complejidad”. “Una especie de nube negra domina Rumanía: es increíble lo que han podido hacer con un país que fue rico, inspirado, multiforme… “

    1. Oi!!
      Deu tempo de vocês lerem?
      Ou apenas ficaram por ai tresloucados com as “fotos” as quais estão ser tornando o ponto forte deste blog?
      Pois, encontrem um tempinho leiam?
      É meio agressivo mas é uma das visões inteligentes sobre o agressivo mundo de hoje.
      Abração.
      Edson

      1. Ah 21º.
        Não seja tão radical.
        Porque nos matarmos e não apenas melhorarmos?
        Não creio que a morte resolva questões como essas.
        Tampouco as resolve fazermos de contas que vai tudo no melhor dos mundos e que tudo o que ocorre é apenas uma piada.
        De qualquer modo é uma opinião a ser estudada, pois, diante do futuro que os cientistas dizem que se avizinha por ai talvez não haja outra saida mesmo.
        Parece-me que os desafortunados já se convenceram disso e começam a estrupar criancinhas às centenas de milhares (e, pasme, parece que tudo aprovado pela Igreja que excomunga os que resolvem protegê-las)
        E mais! Continuam a matar!
        Matar assim por nada… …sequer por sentir prazer como divulga e ensina o Hanibal
        Bem.
        Com toda a sinceridade eu acho que o que resolve mesmo é melhorarmos.
        Quem sabe?
        Se nos voltaemos um pouco mais para nossos filhos tentando limpar a sofreguidão que os jovens têm de arrebentar…
        Bem… …não sei não…
        Acho que o nosso problema é que não podemos replanejar o passado…

        …mas… …e o futuro?

        …podemos reconstruí-lo?

  4. PQP,

    Adorei esssa postagem, não sabia desse lado exibicionista de Stravinsky! Adoro as peças mais conhecidas dele, mas agora o acho ainda mais interessante. Apesar de TODA A VAIDADE muito bem mostrada, o fato é que as fotos permitem ver que ele já foi um homem MUITO GOSTOSO, capaz de produzir MÚSICA GOSTOSA. O bofe é 10 (amei!),o site é 1.000!
    Beijos,
    Rameau

  5. e quem disse que só as mulheres gostam? a julgar pelos comentarios parece ser o contrario…
    bom, temos então um pouco de equilibrio, depois daqueles tresloucados exageros com aquela pianista (Helena Grimaildi ou algo assim – nosso amigo ficou tao loco com ela…)
    e Stravinsky? se tivesse revista G, ele topava sem piscar!!! e ainda ia fazer sucesso…

  6. PQP, não tens a Playboy da Alma Mahler pra rebater o susto?

    ____

    Quanto ao texto sobre Celibidache, desculpas a seus admiradores, mas mais decepcionante do que era de se esperar.

    Era articulado e cheio de teses, boa parte delas redundantes, pois estudara filosofia e, de fato, em terra de cego (regência orquestral) quem tem um olho é rei.

    Mas nada mais fácil do que bancar o inteligente destruindo os outros, coisa muito comum no mundo das artes. E que ferina sua inveja ao se referir a instrumentistas como Anne-Sophie Mütter (talvez por não ter comido, como fez Previn) e Ithzak Perlman (talvez por ser rico).

    E na hora de falar da concorrência direta com mais reconhecimento público do que ele, ninguém presta: Toscanini e Karajan não tem valor algum, Baremboim é melhor pianista que regente (???? tá brincando…), e quem é que o cara admira? Bruckner??? Ah, pára né, meu filho… Quem sabe um pouco de humildade?

    Mas humildade não é uma palavra que costume figurar no vocabulário de maestros. Não mesmo.

    1. Playboy da Alma Mahler <—- MELHOR PIADA DO POST!

      PARABÉNS SOYGARDEL!

      —————-

      Ah, e de quebra concordo com tua avaliação do fraco polemista Celi.

  7. Não seria melhor umas fotos daquela pianista, a qual você chamou de Ahhh… num post anterior? Homem nu já basta eu diante do espelho! Um blog tão perfeito e me aparece umas imagens dessas… mas fazer o quê? Ao menos as músicas compensam as grotescas imagens de seu compositor narcisista.

  8. Robert Craft regendo Stravinky ,selo Naxos, é uma das grandes opções para a música do Russo. Se a qualidade sonora deste cd estiver boa o cd deve ser muito bom.
    Celibidache rege….Celibidache! Porque ele altera tanto os andamentos das músicas que elas passam a serem suas…eheh…como disse Bernard Haitink ,sem querer dar nome aos bois: tem Maestro que alyera tanto os andamentos que deveriam ir para cadeia….ahahah..Celibi é o Don QUIXOTE DO SÉC XX….

  9. Independentemente das fotos: e os outros oito volumes? Tenho um LP da Columbia, que me parece da mesma série, com ele conduzindo a Sagração da Primavera com a Columbia Symphony Orchestra (aliás, onde estão os créditos do post?). O LP traz lados 5 e 6, e portanto imagino que seja de um box maior. Não tenho mais informações, pois comprei em um sebo. A gravação é possivelmente de 1961 e a bela foto da capa é de Richard Avedon. De qualquer forma, a gravação é maravilhosa. Vamos publicar todos?

  10. Caríssima família Bach,

    Por obséquio, vocês não teriam o restante da coleção Stravinsky conducts Stravinky? Apreciaria muito a gentileza! No entanto, dispenso as fotos… kkk

Deixe uma resposta