Ferde Grofé (1892-1972) – Suíte Grand Canyon

Graças à predisposição do ambiente familiar, o novaiorquino descendente de huguenotes Ferde Grofé – filho de um barítono e de uma violoncelista – recebeu as primeiras lições de música em casa. Com o falecimento do pai em 1899, foi mandado pela mãe pra Leipzig para estudar composição e se aperfeiçoar em piano e viola (o primeiro passou a ser seu instrumento favorito e o segundo, o profissional). Sua fama, porém, deve-se ao sucesso dos arranjos para a banda de Paul Whitemann na década de 1920.

O mais famoso desses arranjos foi o de uma partitura de George Gershwin escrita para dois pianos (o solista e a redução): a Rapsódia em Blue. Na verdade, Grofé orquestrou três vezes a redução: em 1924 para jazz band, em 1926 para orquestra sinfônica e em 1942 (após a morte de Gershwin, portanto) para orquestra sinfônica ampliada, arranjo este o mais difundido.

(O famoso glissando inicial de clarineta da Rapsódia, no entanto, foi um achado do clarinetista Ross Gorman durante o primeiro ensaio da peça; ele decidiu “emendar” as 17 notas do floreio do primeiro compasso e Gershwin de batepronto pediu que Ross assim o fizesse doravante.)

Em 1916, Grofé e alguns amigos rumaram de carro para o Grand Canyon, contemplar a natureza. A lembrança do nascer do sol nessa ocasião foi tão marcante que ele escreveu Sunrise em 1929. No ano seguinte, teve a idéia da suíte completa e compôs os movimentos Sunset e Cloudburst (Pé d´água, aguaceiro). Em 1931 surgiram os outros dois movimentos, Painted desert e On the trail, e Grofé então orquestrou tudo, exceto Sunrise, já pronta.

De imediato, Toscanini se enamorou pela suíte e tratou de gravá-la. Tem uma cara de trilha sonora de filme da Sessão da Tarde, mas é muito sincera e bem escrita – um dos marcos do neoclassicismo norteamericano. Quem gosta de Barber e de Copland, merece conhecer Grofé.

***

Suíte Grand Canyon

1. Sunrise
2. Painted Desert
3. On The Trail
4. Sunset
5. Cloudburst

Filarmônica de Nova Iorque, regida por Leonard Bernstein.

Atualização: Obrigado ao caro RN por apontar o álbum de onde saiu esta gravação.

BAIXE AQUI

CVL

11 comments / Add your comment below

      1. Tenho, e deve ser inclusive esta que o RN apontou. Mas foi embalada na coleção “Great Performances” (aquela das capas estilo jornal), junto com a Suíte Mississippi regida pelo André Kostelanetz (um dos pioneiros da “easy listening”).

  1. Caras do blog, posso fazer uma sugestão?(já que considero mais elogios desnecessarios)
    vcs nao tem nada do compositor espanol do antonio de cabezon?
    sei que é modal e por isso pode ser difícil de escutar (estranha para alguns), mas eu acho que seria muito bom, levando em consideraçao outras grandes obras de grandes compositores para instrumentos de tecla.
    Tem um cd muito bom de obras dele, interpretado por José luis gonzáles Uriol, chama-se “homage to king charles V”
    Aproveito pra dizer de outro compositor espanhol de “musica para teclas” Francisco Correa de Arauxo.
    Aliás, toda a escola de música ibérica, vcs nao teria mais sobre ela??
    Grato!!

    1. Oi, Luis. Tenho três ou quatro CDs de música renascentista espanhola muito bons, dos quais pretendo postar dois ou três. Um deles é obra do Jordi Savall, mas não tenho os dados do álbum e me parece ser o disco que você menciona. Você tem como me confirmar?

Deixe uma resposta