Tem até prêmio no dia maluco!

Já postamos cinco CDs nas últimas 24h e temos ainda mais um agendado pelo FDP Bach para as 20h. Mas interrompo a seqüência a fim de lançar o seguinte desafio: quem EXPLICAR DE FORMA MAIS INUSITADA (ORIGINAL, SURPREENDENTE) seu amor a meu pai, leva o CD duplo da Arte da Fuga com o Collegium Aureum. Podem ser usadas analogias ou imagens tais como “Gosto tanto de seu pai que por ele seria capaz de __________________________”. Ou, “Amo Bach tanto quanto gosto de sexo oral”, por exemplo… Não, não é obrigatório apelar para a baixaria. Pode ser algo fino, de alto nível, poético ou fofinho…

Motivo da promoção: enganei-me e comprei dois na Amazon… Hoje chegou o segundo. Vai lacradinho. Valendo até as 23h59 de hoje, OK?

O regulamento do concurso é simples: o CD é meu, eu mando nele, então eu resolvo quem é o vencedor. Reclamações? Ora, vá se f…

Ah, preencham o campo de e-mail nos comentários.

PQP

41 comments / Add your comment below

  1. Ora, o que escreve um mero estudante de ensino médio, apaixonado nos últimos pelo Bach?!?

    “Amo tanto o seu pai, Bach, que para ouvir um concerto dele eu não fiz minha prova final no colégio – reprovando de ano. Se não bastasse, eu terminei com a minha namorada por causa dele: Eu o amo, ela não. Azar dela!”

    Essa é uma prova de amor, não? e é verdade..

    abraço!

  2. Vosso pai, PQP, é tão primordioso que é impossível descrever em prosa: tive que versar! Santo Dio! Santo Bach!

    Johann Sebastian Bach:
    Dezenoves letras, que podiam ser aleatórias.
    Dezenove letras.

    Em apenas dezenove letras há o símbolo,
    O homem talhado por Deus a ouro,
    E orneado pelo magno talento.

    Alguns o têm de tesouro,

    Eu louvo o seu invento.

    Johann Sebastian Bach:
    Que se nascesse nas terras tupiniquins
    Teria o nome de João Tião

    E um sobrenome de brasileiro.
    E, em 1600, quiçá virasse feitor
    Ou colono, desbravador do Brasil.

    Mas Deus lhe teve muito amor

    E deu-lhe o talento ardil.

    Dezenove letras, que podiam ser aleatórias,
    Mas que juntas descrevem uma imponência sem igual.
    Órgãos, concertos, cravos, violoncelos, violinos,

    O simpático homem segurando a partitura.
    Invocação dos Deuses da Arte das Musas.
    Velho homem barroco.

    Num banho-maria de semifusas

    Johann Sebastian, te invoco.

    Dezenove letras.
    O poder de um tufão,
    De mexer com a mente.

    Aflorar sentimentos.
    Cobrir as tardes bucólicas
    e encher de primazia os concertos,

    Encher de música o ambiente,

    Mover montanhas.

    Em apenas dezenove letras há o símbolo.
    Há a alegria de vossos allegros e prestos, Bach!
    A melancolia de teus lentos adágios.

    Há o barulho de estouro de cavalaria
    Que é tal – qual a revolução que fizestes na música!
    (Que é tão grande chegam a dizer que és Deus)

    Mas uma coisa eu tenho certeza:

    Se não és, musicalmente, algo está errado.

    O homem talhado por Deus a ouro,
    Foi simples homem de Eisenach.
    Da velha Alemanha.

    Tantos filhos encabeçastes!
    Tão primores produziam
    E, sorte nossa, cuidaram de tua obra!

    Não fosse Carl, Bach

    Quiçá você nem existiria hoje.

    E orneado pelo magno talento,
    Produzistes, Bach, as mais primordiosas canções.
    Em tantos gêneros! E sempre, virtuose

    Mostrando que a música é muito mais que partituras:
    São sentimentos de um músico.
    E quão nobre é teu sentimento,

    Ao ponto de comover-nos

    Quatro séculos depois.

    Alguns o têm de tesouro,
    Devido ao homem que foi.
    Eu já o tenho mais como amigo,

    Sabe, aquele companheiro pra toda-hora.
    É como se tu, Bach, estivesses ao meu lado
    Quando toca uma música sua.

    Bach é o meu melhor amigo.

    Recomendo Bach para dores em geral.

    Eu louvo o seu invento,
    E quisera eu, Bach, conhecer-te.
    Mas sou pobre mortal,

    Um dia levam-me
    E eu lembrarei muito bem:
    Tenho que me encontrar com Bach

    E bater um papinho com ele.

    Pena que esse dia esteja tão longe…

  3. Eu gosto por demais do João Sebastião porque ele me faz viajar para um tempo onde as pessoas não tinham esta pressa homicida de hj, e apesar disso ele sabia muito bem como dar aquela corrida no teclado…fazendo meu coração ir à boca!!! é somente por isso!
    témais

  4. Bach é um riacho. Na verdade, surge como uma pequena goteira. De gota em gota, as notas formam uma pequena corrente de água. Os seres que encheram suas fontes e seus barris dessa água provaram uma doçura inexplicável. Era água, e existia outras correntes. Porém “um mar de vozes bachiano não pode ser confundido com nenhum outro”. A água bachiana é como a água do deserto, que com nutrientes riquíssimos faz florescer em pouco tempo uma rica vegetação em meio ao deserto. A água brota da terra e ao redor espalham-se frutos. Ninguém morre de fome num oásis. Se eu sou perdido num deserto, os frutos desse raro e desejado oásis me fortalecem. Uma corrente pequena quando se junta outra forma uma corrente grande. Bach já é um riacho, proveniente de várias correntes d’água!!! Quem sabe se ele não é o oceano? Bach é na minha frente toda a água pura do mundo. Deve ser bebida o tempo todo.

  5. Bach
    Amo Bach
    Eu amo Bach
    Eu amo muito Bach
    Eu a-m-o muito Bach
    Eu amo muito Bach mesmo
    Puta Que Pariu! Eu amo muito Bach!
    Puta Que Pariu! Eu amo muito Bach mesmo!
    PQP! Se tem uma coisa que eu amo muito, essa coisa é Bach!
    Puta Que Pariu! Eu amo muito Bach mesmo!
    Puta Que Pariu! Eu amo muito Bach!
    Eu amo muito Bach mesmo
    Eu a-m-o muito Bach
    Eu amo muito Bach
    Eu amo Bach
    Amo Bach
    Bach.

  6. De bolo de fuBACH a BACHanal. Estou cada vez mais convencido que tudo no universo está impregnado com a música de Bach. A exceção é BACHaria (sic), que não existe na música de seu pai. Por isso eu AMO Bach.

  7. Gosto tanto de seu pai que por ele SOU capaz de PASSAR NOITES E NOITES FAZENDO “DOWNLOAD” DE TODOS OS 154 CDs DA COLEÇÃO BACH 2000 !

  8. Bach me salvou da vergonha, após ter mijado todo o banheiro da casa da grã-fina. Pois é, história real. Quando menino cantava em um coral, e estava em excursão em Curitiba. Nas viagens ficávamos sempre hospedados em casas de família, e daquela vez, eu e outro colega menino-cantor havíamos tirado a sorte grande (ou não): uma família rica (ou podre de rica) havia nos hospedado. Bem, eu era de família muito pobre, e no dia em que chegamos, fui ao banheiro tomar banho, e vi um bidê. Como era pobre, não sabia exatamente para que ele servia, e imaginei que fosse para mijar. Pois bem, mijei, e quando acabei, para meu desespero, o bidê estava quebrado e vi que tudo tinha ido para o chão. Tentei secar o banheiro, mas só tentei. No jantar, mesa posta, formal, me reprimiram pelo meu engano. Morri de vergonha, só escapei de coisa pior porque a dona da casa me levava pra “conversar” quando vi uma miniatura de madeira de um órgão, e a fotografia de seu Papai. Ela perguntou: Vocês sabem quem é? Eu disse, todo orgulhoso: Sim, é Bach! Acho que ela preferiria que o meu colega respondesse, mas como fui eu, pude compensar meu deslize com o amor por Bach, compartilhado entre aquela velha rica e um menino-cantor de família pobre. Com vêem, Bach me salvou da vergonha por ter mijado todo o banheiro.
    Além disso, agradeço a Bach por ter me antecipado 10 anos de sensação de prazer. Quando menino, não tinha toca-discos ou toca-fitas, e o único jeito de ouvir Bach era quando cantava músicas dele. Nessa época, Bach me dava as mesmas sensações de orgasmo que os outros meninos só iriam sentir depois dos 18 anos. Não aquele orgasmo solitário, escondido, que começa em geral aos 13, mas aquele orgasmo que é o clímax do amor por outra pessoa, aquele que a gente infelizmente sente só depois de um bom tempo praticando não o sexo, mas o amor. A música de Bach é música de quem goza, de quem ama. Certamente seu Papai era muito bem amado, e a música dele nos passa isso. Não sei se a velha rica de Curitiba gozava com outra coisa, mas com Bach, ah, isso ela gozava, e justamente porque gozava e viu que eu ainda que menino também gozava junto, não me repreendeu mais.

    Pessoal, muitos parabéns pelo Blog, que conheci há pouquíssimo tempo. O blog de vocês, além de uma oportunidade rara de democratizar o acesso à música de qualidade, tem textos de qualidade e divertidíssimos. Há um mês sou um visitante assíduo. Parabéns e obrigado!

  9. -Breve Poema das Iniciais-

    Jamais Ouviremos Homem Algum, Nenhum, Nunca,
    Seja Ele Bom, Astuto, Sábio, Tarimbado, Inovador, Ainda Não,
    Burilar Assim Canoras Harmonias…

  10. Grande é a minha Paixão Doente por Bach, cujas Oferendas Musicais à humanidade são, em Si, Maiores que todas as outras.

    Que as glórias de vosso pai sejam Cantatas, bastardos Bachianos Brasileiros muitíssimo Bem-temperados (com Cravo, é claro).

  11. Farei uma oferenda…
    P.Q.P, se renda!
    Que Bach e o maior, esta fora de orquestracao.
    E tanta alegri,ue uma missa em si so nao serviria
    Para comemorar, so um oratorio do Alemao.
    Agradeco a deus,
    pois tenho Bach no coracao.
    Nessa vida bem temperada,
    so me resta a adoracao.
    pois a unica certeza, e meu amor pela musica do Sebastiao.

  12. minha frase alegorica:

    “Minha namorada gosta mais de Bach do que de mim…
    Ok, eu também gosto mais de Bach do que dela.
    E Bach gostaria mais de si mesmo do que qualquer um de nós dois.
    Estamos num consenso!”

    []s!!!

  13. Acordei com o som da chuva torrencial.
    O vento sussurrou e eu liguei meu ipod.
    Entre tantas obras primas, tantos estilos
    entre tantas musicas que me fazem chorar,
    Bach chamou meu nome.
    Ao ouvir “A Arte da Fuga” desenhei em minha mente um quadro dos dias passados, onde o verdadeiro sentimento ainda existia.
    E assim, quando o setimento deixar de existir por completo, ainda terei Bach para me sensibilizar e me fazer enxergar.
    De forma que eu saiba que Bach estava lá para mim.
    Vez ápos vez,Bach estava lá para mim.

  14. Bach: venero tanto que:
    o Bom seria pouco
    o Amar seria menos ainda, e o que
    for Colocado aqui
    Hoje não vai chegar nem perto de tudo que se possa sentir em relação a esse compositor único, realmente o Pai da Música.

  15. Caro PQP: acho que este que vos escreve deveria ganhar esse magnífico mimo não só por causa do vosso pai, mas porque esse esse blog é tão importante para mim que, por causa dele, me animei e hoje cometo a coluna “Ronda Noturna”, sobre pintura, na rede OPS. É isso.

  16. Com “A Paixão Segundo São Mateus”
    A genialidade do “Cravo bem Temperado”
    Bach provou com a linguagem de Deus
    Que é o compositor mais adorado.

    Peço ao P.Q.P.Bach para ganhar este prêmio
    Pois o Blog visito sempre com frequência
    Dentre os compositores ele é o maior gênio
    Diante de suas obras presto sempre reverência

    Creio que tenha provado o quanto quero ganhar
    Pois grandes frases e poemas este post conjuga
    Mas mesmo com concorrência vou tentar disputar
    Para enfim conquistar a grande “Arte da Fuga”

    (William Schineider Rabelo)

    Quero ganhar muito esse duplooooo… espero que ainda dê tempo…

    grande abraço a todos =D

  17. Não sei como o PQP vai julgar os casos omissos, pois houve participações além do horário estabelecido. Eu iria ficar quieto na minha porque a decisão cabe tão-somente a ele, mas esse último post – mesmo extrapolando o horário – é o mais poético de todos.

  18. -BACHti corassaum.
    -Amo tanto Bach que seria capaz de ouvir a dança do Créu inteira, por ele. Bom, talvez não seja tanto amor assim…

  19. Também dou cama, comida e roupa lavada … mas vou dormir no sofá porque não quero saber de viadagens “românticas” … e ainda toco as Variações Goldberg pra ele dormir ..

  20. Meu Deus tá atrasado mais aí vai:

    ” Ahhhhhh! Johann com certeza você foi um anjo Bem-Temperado por sinal…Não sei como descrver sua música,divina música cujo poder não é a força bruta mas sim a beleza que dispersa as mais terríveis tempestades.Amo tanto sua peruca velha que eu a lançaria longe só para beijar seu santo crânio.Se fosse aqula senhora de Leipzig eu não teria vaiado A Paixão segundo São Matheus, mas sim beijando seus divinos pés.Se fosse aquele cirurgião safado eu teria cuidado com seus sublimes olhos para que concluisse A ARTE DA FUGA.Se você estivesse aqui Sebastian eu ergueria um Pálacio para você e suas virtudes morassem nelas.Antes de concluir,obrigado pelos seus maravilhosos filhos tantos os compositores como os Blogueiros.Obrigado por existir”
    De seu mais fiel devoto C.T Mozart

    “Eu só procuro com meus versoa rudes
    Teus triunfos cantar,tuas virtudes.
    Frei São Carlos

Deixe uma resposta