J. S. Bach (1685-1750): Concertos – Akademie für Alte Musik Berlin

J. S. Bach

Concerto para Violino

Concertos Duplos

Akademie für Alte Musik

Berlin

Na contracapa do disco desta postagem há um breve texto explicando a ideia geral da escolha do repertório. O texto é apresentado em três idiomas – francês, inglês e alemão. No início de cada versão do texto há uma inscrição em destaque que revela de maneira sutil aspectos do perfil de cada uma destas culturas. A versão em francês começa com a sugestiva frase: Secrets de cuisine (Segredos de cozinha), enquanto a versão em inglês abre com o destaque: Trade secrets (segredos de negócios) e o texto em alemão tem no seu início uma só palavra: Berufsgeheimnisse (Segredos profissionais). A cultura de cada povo revela a sua prioridade…

Além destas mundanas observações antropológicas, o texto nos diz que o repertório do disco consiste de quatro concertos. Dois deles são transcrições feitas por Bach de obras mais antigas (uma transcrição do Quarto Concerto de Brandemburgo e outra do Concerto para dois violinos) e outras duas reconstruções ‘bastante convincentes’ de concertos que conhecemos apenas nas transcrições feitas por Johann Sebastian. Ou seja, dois para lá, dois para cá!

O primeiro concerto no disco é uma reconstrução de um concerto para violino que teria sido a versão original do que conhecemos como o Concerto para cravo em ré menor, BWV 1052. Certamente um dos mais brilhantes da coleção, brilho que é mantido nesta gravação.

Em seguida vem o Concerto para dois cravos em dó menor, BWV 1062, uma transcrição feita por Bach do conhecido Concerto para dois violinos, BWV 1043. A fama do concerto original e da transcrição se deve em grande parte ao maravilhoso movimento lento, espetacular em qualquer das versões que você preferir.

Segue uma outra transcrição feita por Bach, agora o original é o Concerto de Brandemburgo No. 4. A transcrição é principalmente do solo de violino para cravo, ficando mantidas as duas flautas doces, que dão uma sonoridade muito especial e diferenciada a este concerto.

Para encerrar temos uma reconstrução feita a partir do Concerto para dois cravos, BWV 1060, para solo de violino e oboé. Acredita-se que este concerto perdido, e aqui reconstruído, tenha sido na verdade composto em período bem próximo da época das famosas transcrições feitas por Bach, enquanto que os outros concertos originais foram compostos bem antes, quando Bach estava em Cöthen.

Os solistas desta gravação, assim como a Akademie für Alte Musik Berlin, são excelentes. Como a também alemã Freiburger Barockorchester, ela oferece uma boa opção para ouvir música deste período, ao lado das conhecidas orquestras inglesas e francesas. Podemos dizer que elas dão um toque profissional às suas atuações.

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

Concerto para violino, cordas e contínuo em ré menor, BWV 1052 (Reconstrução da parte de violino original por Midori Seiler)
  1. [Allegro]
  2. Adagio
  3. Allegro
Concerto para dois cravos, cordas e contínuo em dó menor, BWV 1062 (Transcrição do Concerto para dois violinos em ré menor, BWV 1043)
  1. [Allegro]
  2. Andante e piano
  3. Allegro assai
Concerto para cravo, duas flautas doce, cordas e contínuo em fá maior, BWV 1057 (Transcrição do Concerto de Brandemburgo No. 4, em sol maior, BWV 1049)
  1. [Allegro]
  2. Andante
  3. Allegro assai
Concerto para violino, oboé, cordas e contínuo em dó menor, BWV 1060 (de um concerto para dois cravos em ré menor)
  1. Allegro
  2. Adagio
  3. Allegro
Stephan Mai, violino e direção
Christoph Huntgeburth, flauta doce
Xenia Löffer, oboé e flauta doce
Raphael Alpermann, cravo
Jörg Andreas Bötticher, cravo

Akademie für Alte Musik Berlin

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 361 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 146 MB

A Akademie também joga para o alto…

Momento ‘My dear teatcher’: Harmonia Mundi’s Violin Concerto, BWV 1052, is about everything one could want from a disc of reconstructed concerti played by a period ensemble — the sound is great and the performances are of such a high standard that it even puts the famous Neville Marriner recordings of similar Bach reconstructions on the defensive.

Aproveite!

René Denon

5 comments / Add your comment below

  1. Post bem interessante!
    Uma curiosidade. Trade secrets seria melhor traduzido como segredos do ofício. Tradesman é um termo genérico pra profissionais da construção como pedreiros, carpinteiros, eletricistas, etc, e invoca bem o sentido original do termo trade secret, acho que talvez isso possa ter origem na idade média onde os conhecimentos profissionais eram realmente mantidos em segredo e passados de pai pra filho.
    O livro de receitas parece bem interessante também!!

    1. Olá, Sal!
      Eu havia ficado entre ‘segredos de negócios’ e ‘segredos comerciais’, já um pouco influenciado pela minha perspectiva do inglês como uma língua do mundo dos negócios. Sua observação leva em conta um período de tempo maior e a expressão segredo de ofício é bem adequada.
      Obrigado por sua mensagem.
      Abraços do
      René

      1. Secrets de cuisine, cela me va bien. Mais les vrais secrets (un secret, c’est quelque chose qu’on ne dit qu’à une seule personne à la fois) ne s’écrivent pas.

Deixe uma resposta