Anton Webern (1883-1945): Obra Completa – Disco 3/6

Conversava com alguns amigos sobre grandes mestres das canções. E inevitavelmente os nomes foram surgindo: Tom, Chico, Djavan…, Schubert, Schumann, Brahms; mas quando falei sobre canções de Webern, o silêncio foi total. Boa parte das obras de Webern foi dedicada a este gênero musical tão comum nos dois mundos da música (popular e clássica). O alemão passou mais de dez anos só escrevendo canções, isso no seu mais importante período de amadurecimento musical, adotando com grande vigor as ideias dodecafônicas de seu mestre, Schoenberg. Talvez por isso, suas canções estão entre as mais difíceis obras do mestre, e mesmo entre aqueles de estômago forte, poucos se arriscam nessa música tão anti-melódica e árida.

A sensação que tenho é a do trovador dedilhando seu alaúde, cantando aquelas lindas canções de Dowland no pé da janela de sua amada. E de repente, da janela, sai uma mulher similar àquelas de um filme expressionista alemão, cantando canções místicas de sentimento denso e frio. Tão broxante que o trovador assustado se esquece para que veio. Mas não vai embora, uma força mantêm o rapaz no mesmo lugar. Para quem duvida, ouça o disco de Dowland postado pela Clara Schumann e, na seqüência, este terceiro disco de Webern da caixa Complete Works.

Mas não só de canções vive um grande mestre, há importantes obras instrumentais nesse disco, como as Five pieces for Orchestra op.10, aqui Webern utiliza praticamente todos os truques orquestrais existentes na época (trabalha com volume, dinâmica, intervalos, mudanças de ritmos) uma verdadeira aula de composição, e tudo isso em apenas 5 minutos. Um poeta sem rodeios que vai direto ao ponto (como a musa da janela). Outra importante obra é seu Quartet for violin, clarinet, tenor saxophone, and piano, Op. 22 (1928 -1930), música que mistura efeitos timbrísticos praticamente de uma nota a outra. A concentração do músico deve ser absurda. O mesmo acontece com o Concerto for 9 instruments, Op. 24 (1931-1934), obra-prima dedicada ao seu querido mestre, Schoenberg.

Destaco também o belíssimo e desconhecido Piano Quintet (1907), obra que abre este disco. Peça com um único movimento (Moderato), muito influenciada por Brahms, escrita pouco antes da Passacaglia op.1. É para aquele que pensa que está em terreno seguro só por saber que vai ouvir música tonal. Triste engano. A obra é forte e carrega um caráter sombrio angustiante (final arrebatador). Com certeza, mereceria ser o opus 1.

Anton Webern (1883-1945): Obra Completa – Disco (3/6)

1. Piano Quintet op.post. – Moderato
2. “Entflieht auf leichten Kähnen” op.2
3 – 4. 2 Songs op.8 for voice and eight instruments
5 – 9. 5 Pieces for Orchestra, Op.10
10 – 13. 4 Songs op.13 for voice and orchestra
14 – 19. 6 Songs op.14 for voice, clarinet, bass clarient,violin a.cello
20 – 24. 5 Sacred Songs op.15 for voice, flute, clarinet, bass clarinet, trumpet, harp, violin and viola
25 – 29. 5 Canons op.16 for high soprano, clarinet and bass clarinet
30 – 32. 3 Traditional Rhymes op.17 for voice, violin, viola, clarinet and bass clarinet
33 – 35. 3 Songs op.18 for voice, E clarinet and guitar
36 – 37. 2 Songs op.19 for mixed choir accompanied by celesta, guitar, violin, clarinet and bass clarinet
38 – 39. Quartet op.22 for violin, clarinet, tenor saxophone and piano
40 – 42. Concerto op.24 for flute, oboe, clarinet, horn, trumpet, trom- bone, violin, viola and piano

Performed by Berlin Philharmonic Orchestra
Conducted by Pierre Boulez

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

As meninas do Great PQP Bach Home Chorus assediaram sem sucesso o compositor Webern

CDF Bach

7 comments / Add your comment below

  1. Não achei a Variations op. 27 em nenhum dos 3 discos dessa série “Complete Works” que postaste, CDF… eu que estou meio perdido tomando olé dos meus olhos ou é isso mesmo?

    Agradeço desde já!

  2. Ouvir Webern sem as partituras é realmente quase impossível (quero dizer, se quisermos ouvir de verdade, e não superficialmente). A estrutura melódico-harmônico-ritmica-timbrística-etc… é tão complexa e densa, que tentar perceber algo sem apoio é loucura. No entanto, ele é um compositor tão esquecido, que jamais encontrei partitura alguma dele, em lugar algum, sendo até mais fácil encontrar artigos técnicos sobre suas obras (já encontrei alguns). Alguem sabe onde posso conseguir algo?

  3. Avoado, vc não deveria se preocupar com uma suposta estrutura melódico-harmônica em Webern… não pelo menos do modo convencional, já que muitas de suas obras propõem uma estética que emancipa a composição de tais estruturas. Esta emancipação é fruto do aprofundamento da técnica de “melodia de timbres” junto com uma percepção aguçada de certas possibilidades seriais latentes no dodecafonismo que não tinham sido apontadas (ou percebidas) por Schoenberg. Inclusive, acho que o interessante é justamente ouvir as obras sem acompanhar a partitura.

  4. Mas, eu preciso de partitura para fazer análise estética e só o áudio vai ficar difícil!!!! Vou ter que apresentar um trabalho na ufpe amanhã sobre Webern, na net não tem!

Deixe uma resposta