Anton Webern (1883-1945): Obra Completa – Disco 2/6

Apesar da música de Webern ser, quase sempre, de curta duração, a tentativa de memorizá-la é dificílima, pois sua música é absurdamente compacta, muita coisa acontece naqueles poucos segundos. Quando ouvi este segundo disco da série Webern´s Complete Works fiz uma tremenda confusão, pois acreditava que ouvia as famosas 5 Pieces For Orchestra, op.10 (1911). Na verdade eu estava ouvindo as 5 Pieces For Orchestra (1913), opus póstumo, enfim uma obra não publicada por Webern e desencavada em 1965 por um musicólogo. Essa peça, aparentemente, não está concluída, movimentos com poucos compassos (14 compassos na quarta peça, por exemplo) e que finalizam de forma brusca. Mas como isso era algo comum na música de Webern fica difícil dizer se a obra está completa ou não. No entanto, já ouvimos um Webern extremamente maduro e conciso. A segunda obra deste disco, 3 Songs for soprano and orchestra (1913), foi escrita na mesma época, e também não recebeu a assinatura final de Webern (sem opus). Canções com poemas do próprio Webern e Stefan George.

Após longo período escrevendo apenas canções, Webern nos apresenta uma composição instrumental, cujo gênero já parecia esgotado, falo da Symphonie op.21 (1926). Obra em dois movimentos e de beleza matemática mais próxima de Bach que de Haydn. No segundo movimento, com 7 variações e uma coda, Webern faz uso de palíndromos, ou seja, uma música perfeitamente simétrica que tanto pode ser lida de trás pra frente ou de frente pra trás. Exemplos de palíndromos são muitos, cito alguns exemplos que pesquei por aí:

“Socorram-me em Marrocos”
“Eva, asse essa ave.”
“Até cubanos metem só na buceta.”

Enfim, Webern tinha uma forte ligação com as estruturas simétricas que eram muito comuns na música renascentista e barroca. Engraçado que um músico tão moderno fosse quase arcaico nas suas concepções. Prova disso são suas duas cantatas com textos que misturam cristianismo com panteísmo, todos escritos por sua amiga Hildegard Jone. A celebrada Kantate n.2 op.31 (1944) foi sua última obra como também a mais longa de sua carreira (15 minutos, mais ou menos), escrita para soprano, baixo, coro, uma gama enorme de instrumentos de sopro, celesta e cordas.

Um disco excepcional. Ainda inclui as complexas Variations for Orquestra op.30, música que mereceria uma audição com partitura. Estou convencido que a música de Webern nunca será totalmente percebida apenas com o ouvido. Essa mistura quase impossível entre música cerebral e do coração, tão perfeitamente ajustada na música de Bach, ainda é impenetrável para o grande público e mesmo para os ouvintes mais concentrados. Ainda me questiono se Webern conseguiu alcançar tão difícil combinação.

Anton Webern (1883-1945): Obra Completa – Disco (2/6)

1. 5 Pieces for Orchestra (1913) – 1. Bewegt
2. 5 Pieces for Orchestra (1913) – 2. Langsam (sostenuto)
3. 5 Pieces for Orchestra (1913) – 3. Sehr bewegte Viertel
4. 5 Pieces for Orchestra (1913) – 4. Langsame Viertel
5. 5 Pieces for Orchestra (1913) – 5. (Alla breve)
6. Three Orchestral Songs for Voice and Orchestra (1913/14) – 1. Leise Düfte (Poem by Webern) 7. Three Orchestral Songs for Voice and Orchestra (1913/14) – 2. Kunfttag III. “Nun wird es wieder Lenz” (Poem by Stefan George)
8. Three Orchestral Songs for Voice and Orchestra (1913/14) – 3. O sanftes Glühn der Berge (Poem by Anton Webern)
9. Symphony, Op.21 – 1. Ruhig schreitend
10. Symphony, Op.21 – 2. Variationen
11. Das Augenlicht (The Light of the Eye) op.26
12. I. Kantate op.29 for soprano, mixed chorus and orchestra – 1. Getragen – Lebhaft. “Zündender Lichtblitz des Lebens” (Chorus)
13. I. Kantate op.29 for soprano, mixed chorus and orchestra – 2. Leicht bewegt “Kleiner Flügel Ahornsamen” (Soprano)
14. I. Kantate op.29 for soprano, mixed chorus and orchestra – 3. Ruhig “Tönen die seligen Saiten” (Chorus & Soprano)
15. Variations for Orchestra op.30
16. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 1. Sehr lebhaft – Ruhig “Schweigt auch die Welt” (Basso)
17. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 2. Sehr verhalten “Sehr tief verhalten innerst Leben” (Basso)
18. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 3. Sehr bewegt “Schöpfen aus Brunnen des Himmels” (Chorus & Soprano)
19. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 4. Sehr lebhaft “Leichte Bürde der Bäume” (Soprano)
20. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 5. Sehr mässig “Feindselig ist das Wort” (Chorus & Soprano)
21. II. Kantate op.31 for soprano solo, bass solo, mixed chorus and orchestra – 6. Sehr fliessend “Gelockert aus dem Schosse” (Chorus)

Performed by Berlin Philharmonic Orchestra
Conducted by Pierre Boulez

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Cansado das complexidades da Segunda Escola de Viena, Webern atirou-se na grama do PQP Bach Musicians Resort de Viena.

CDF Bach

8 comments / Add your comment below

  1. Há um texto de Ligeti sobre Webern em que ele mostra como este, conscientemente, utilizava elementos que desfaziam as tão famosas simetrias de suas obras. Webern sabia que nenhuma música vive só de cálculo, sua música é para ser ouvida sim, mas diversas vezes, pois a beleza dela não se impõe, mas se deixa encontrar.

  2. Claro, claro…a música de Webern é para ser ouvida muitas vezes, mas suas células e variações ganham uma amplitude maior se vistas. É possível perceber com muito mais assombro, por exemplo, a simetrias nas fugas de Bach. Para mim a matemática tem também sua beleza peculiar, mas concordo que a música de gênio se faz através combinações inesperadas.

  3. Voltei das férias… é encontro o blog de visual novo… q lindo…

    mas, poxa, to sentindo falta da Missa Solemnis de Beethoven, poxa, postaram até Rita Lee!!!! é injusto que nao postem tb a Missa do Betho.

    um abraço.

  4. Eu tento… ouço, insisto, leio sobre o dodecafonismo/serialismo, ouço novamente – mas não consigo apreciar isso. Continua me parecendo mais literatura que música, algo que preciso estar com um tratado ao lado pra entender as intenções, que apenas a escuta não é suficiente (e, particularmente, nunca agrável)… Realmente, me sinto retrógrado por isso… Acabo chegando, com gosto, só até Strawinsky (antes do último período), Prokofiev, Bartók e Ginastera…

    1. Somos dois, Eduardo. Nunca consegui entender as intenções dos compositores. Temos aqui no blog especialistas na área, que já tentaram me convencer, mas não consigo ouvir.

Deixe uma resposta