Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830) – Missa de Nossa Senhora da Conceição & Credo em Sí bemol (Acervo PQPBach)

sacred-music-of-josea%cc%83a%cc%8a-mauria%cc%83a%cc%8acio-nunes-garcia
Pe. José Maurício Nunes Garcia
Missa de Nossa Senhora da Conceição & Credo em Sí bemol
Austin Chamber Singers

 

José Maurício Nunes Garcia, é o exemplo máximo de todo o avanço em direção à linguagem tida como mais moderna e ao gosto da corte, seguindo os modelos da ópera italiana dos primeiros anos do século XIX, para a qual Marcos Portugal, Paisiello, Cimarosa e, posteriormente, Rossini serviram de modelo.

O tempo de José Maurício à frente da Real Capela é claramente um período de transição estilística entre suas duas práticas, já há muito estabelecidas pelos pesquisadores de sua obra: antes e depois da chegada da corte. Se, antes, escrevia para grupos pequenos e possivelmente com limitações técnicas, vê-se obrigado, a partir de então, a escrever uma música mais brilhante e virtuosística, com o objetivo de se aproximar do “estilo da Capela Real”. O que justamente caracteriza este período como de transição é a síntese através da qual José Maurício adapta sua música e sua linguagem, obtendo um estilo híbrido em sua criação, ainda com resquícios fortes da primeira fase, mas já alçando vôos em direção ao estilo que iria caracterizar sua segunda fase: mais madura e moderna.

A grande obra do período de José Maurício à frente da Real Capela é sem dúvida a Missa de Nossa Senhora da Conceição para 8 de dezembro de 1810. É a obra mais complexa e grandiloquente das que havia composto até então, e uma das mais sofisticadas de toda a sua carreira, composta num momento de plena maturidade: José Maurício contava com 43 anos.

A Missa da Conceição (C.P.M. 106) unida ao Credo em Sí bemol (C.P.M 129) é sua primeira missa com coro e grande orquestra, e apresenta uma mudança do estilo severo empregado nos tratamentos anteriores ao mesmo texto. É uma obra com características únicas em sua criação, pois conta com estruturas e elementos que não virão a se repetir, mesmo em obras posteriores, como a utilização de uma orquestração extremamente refinada com divisões em todas as cordas, a presença de um sexteto solista e, principalmente, o uso de três grandes processos imitativos chamados de fugas ou fugatos.
(Ricardo Bernardes, musicólogo e maestro, editor da Missa de Nossa Senhora da Conceição, do Padre José Maurício).

Missa de Nossa Senhora da Conceição para 8 de dezembro de 1810
01. Kyrie
02. Christie (fuga)
03. Kyrie
04. Gloria
05. Et in terra pax hominibus
06. Gloria
07. Laudamos te
08. Gratias agimus tibi
09. Propter magnam gloriam tuam
10. Domine Deus
11. Qui tollis peccata mundi
12. Suscipe deprecationem
13. Qui sedes ad dexteram Patris
14. Quoniam tu solus sanctus
15. Cum Sancto Spiritu
16. Cum Sancto Spiritu (fuga)
Credo em Sí bemol
17. Credo
18. Et incarnatus est
19. Crucifixus
20. Et resurrexit
21. Cujus regni
22. Et vitam venturi saeculi
23. Sanctus
24. Hosanna in excelsis
25. Beneditus
26. Hosanna in excelsis
27. Agnus Dei

University of Texas at Austin Chamber Singers, James Morrow (dir)
Sacred Music of José Maurício Nunes Garcia
1995

memoria

 

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 151,3 MB – 60 min
powered by iTunes 12.5.1

 

 

 

Boa audição!

moça ao vento

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

 

22 comments / Add your comment below

  1. Tenho sim, C.T.Mozart. Vou programar para o começo de Agosto, pois até lá já tenho uma programação feita.
    Obrigado pela sua audiência!

  2. Por enquanto tenho:

    – Ópera bufa “O Basculho da Chaminé” – Abertura
    – Ópera bufa “O Basculho da Chaminé” – Dueto Rosina e Pierotto
    – Abertura nº 16
    – Cuidados, Tristes Cuidados
    – Hino para a Aclamação de D. João VI

    é isso que você procura?

    1. Prezado Atilio,

      Segundo o catálogo Cleofe Person de Matos, a obra que recebe o nº 22 é um hino sem data denominado “Beata Nobis Gaudia”. este o CPM 22.
      Seria interessante imaginar que é uma homenagem da rapaziada do Barueri!

  3. Suspeito que seja:C=Clêofe P=Person M=Mattos. Ou seja nomeDa grande divulgadora de José Maurício Nunes Garcia,a grande maestrina Clêofe Person De Mattos.

  4. C.T.Mozart,
    O Tarambote para as duas Charamelinhas, do CD do Ensemble Turicum, foi composto pelo Pe. José Maurício Nunes Garcia, e é a faixa # 15 do CD “José Maurício Nunes Garcia – Missa Pastoril para Noite de Natal”.
    Obrigado pela lembrança!

    1. Caros Avicena e C.T. Mozart,

      O Tarambote para as duas charamelinhas são duas peças anônimas do século 17 português que estão editadas pela Fundação Gulbenkian no livro de música do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. A obra, portanto, não é do José Maurício e no fundo é bastante desconexa do restante do repertório apresentado no disco.

      1. Pilades, você tem razão. Consultei o encarte do CD Missa Pastoril/Turicum e lá está bem escrito: anonyme.
        Obrigado pela observação!

    1. Tony,

      O servidor que hospedava os links do Avicenna parou de funcionar. Todas as postagens do Avicenna estão tendo os seus links atualizados, mas isso demora uns 2 meses para finalizar.
      Não nos abandone!

      Avicenna

Deixe uma resposta