Alma Latina: El Gran Barroco de Bolivia – Coro de Cámara Exaudi de La Habana

aaaaaaaaaO Coro Exaudi realiza todo um bordado artesanal com esta obra, carregada de um fortíssimo componente artístico e de um cuidado extremo pelo detalhe.

O timbre agudo dos indígenas consegue um contraponto nada habitual com os instrumentos barrocos, que produzem um resultado preciosista. Roque Ceruti, o autor mais interpretado nesta apresentação, nasceu em Milão, e trouxe consigo a grande influência de Monteverdi.
(traduzido e adaptado da internet)

Roque Ceruti (Milan, ca. 1685 – Lima, 1760)
01. Laudate pueri Dominum – Salmo 112 a seis con dos violines y bajo
Anónimo (Chuquisaca y Cusco, con bajones hacia 1650)
02. Dixit Dominus – Salmo 109 para el Oficio de Vísperas, a dos coros con bajones
Roque Ceruti (Milan, ca. 1685 – Lima, 1760)
03. Hoy la tierra produce una rosa – Vilancico a quatro a la Natividad de Na. Señora
Anónimo (Chuquisaca y Cusco hacia 1670)
04. Cierto es – Dúo para Nuestra Reina y Señora
Anónimo (1º mitad del siglo XVII)
05. Desde un laurel frondoso – Cantada a dúo con violines
Anónimo (1º mitad del siglo XVII)
06. Miserere mei, Deus – Salmo 50 para el Oficio de Laudes del Jueves Santo
Anónimo (principios del s. XVIII)
07. ¿A quién no mueve a dolor? – Solo para desagravios. Tonada sacra
Roque Ceruti (Milan, ca. 1685 – Lima, 1760)
08. ¿A dónde, remontada mariposa? – Vilancico a dúo, con violines y bajo
Roque Ceruti (Milan, ca. 1685 – Lima, 1760)
09. ¿Quien será?  ¿Quien será? – Vilancico a tres, al Santíssimo
Anónimo (Chuquisaca, año de 1722)
10. A este festejo y concurso – Juguete de Navidad. Dúo del 5º Tono

El Gran Barroco de Bolivia – 2006
Coro de Cámara Exaudi de La Habana & Capilla Virreinal de Lima & Solistas Instrumentales de La Habana
Regência: Maria Felícia Pérez

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 152,4 MB – 1 hora
powered by iTunes 9.0

Companhia+Telephonica+Brasileira+1956

 

 

.

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição!

Avicenna

5 comments / Add your comment below

  1. Grande postagem mais uma vez, Avicenna…

    … mas, desculpe, acho que na observação sobre “o timbre agudo dos indígenas” você viajou…

    Fui ouvir, e não percebi nenhuma diferença TÍMBRICA em relação a vozes européias treinadas na tradição sacra, não na lírica.

    A tessitura em que essas vozes se movem de fato parece bastante aguda na maior parte do tempo, mas isso são características das composições, e não dos cantores.

    Talvez até mesmo de uma leitura literal das partituras sem levar em conta diferenças o diapasão usualmente mais baixo da época. Mas será que os regentes convencionais hoje vêm fazendo essa compensação da mudança de padrão de diapasão? Estou longe das escolas de música há quase 30 anos… naquele tempo falávamos disso, mas não sei se a idéia pegou!)

    Pra ser sincero, fiquei na esperança de ouvir algo que soasse MAIS indígena… mas o que ouvi foi mais uma vez uma “Itália na América”. Não que tenha achado ruim!! Belíssimo. Como adoro o barroco e detesto o classiscismo stricto sensu, sempre fico triste de não termos quase nada comparável no Brasil. Tento ouvir a música dos mineiros mas… sinto muito, me parece o convencional do convencional do convencional; me desce tão pouco quanto Mozart…

    (PS: ando ausente devido a uma placa de micro queimada… Mas espero logo estar de volta a este raro espaço da internet em que me sinto realmente em casa 😀 )

  2. Olá Avicenna!
    Demorei um pouco para baixar este CD (eh! eh! vou ter que deixar o PC fazendo download 24 horas para baixar tudo que é posto aqui… e que maravilha que é isso!!! Admito: sou viciado em PQP, não sei o que seria sem tanta boa música assim!) mas assim que o fiz, a audição da primeira faixa agradou-me bastante. Digo que tinha em mente a música de Domenico Zipoli e que o CD em questão fica à altura do citado compositor.
    Continue postando!
    P.S.: foi relevante o comentário do Ranulfus.

  3. Prezados Ranulfus e Adriano,

    Obrigado pelos seus comentários.
    Quando traduzí o texto que postei, também achei interessante a afirmação “O timbre agudo dos indígenas consegue um contraponto”, voltei e ouví a peça toda e concluí que o autor dessa frase se referia à participação de cantores indígenas na gravação ora postada. Pode ser?
    A música dos mineiros é profundamente influenciada pela música vigente na época na Europa. Forte influência italiana. Encontramos nas músicas sacras da América hispânica muita influência da música e instrumentos locais.
    Um grande abraço!

Deixe uma resposta