Pe. José Maurício Nunes Garcia – Missa de Santa Cecília: Associação de Canto Coral & Orquestra Sinfônica Brasileira – 1959 – (Acervo PQPBach)

iBiSPA missa de Santa Cecília é a última criação do Pe. José Maurício. Foi o seu gran finale, la crema de la crema!

Todos os CDs e LPs desta magnífica missa foram gravados com velocidade 6,7% acima do real, comprometendo a qualidade da gravação.

Para completar o processo ‘nascoxal’ de produção desses CDs e LPs, as 15 faixas foram aglutinadas em apenas 8 faixas, sendo que a 5ª ficou igual à 4ª.

Gastamos muitas horas tratando esses LPs e CDs no computador e conseguimos chegar a um resultado harmonioso. Assim mesmo não foi possível restabelecer na sua plenitude a gravação original por defeito dos LPs-masters que originaram os CDs, principalmente as faixas 02, 11 e 15, onde alguns solos ficaram irreversivelmente comprometidos.

E a obra? Bem , segundo o prof. Paulo Castagna, ‘a monumental Missa de Santa Cecília foi a última composição de José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), escrita em 1826 para a Confraria Santa Cecília do Rio de Janeiro, uma espécie de sindicato dos músicos daquela época. Em 1959, a Associação de Canto Coral e a orquestra Sinfônica Brasileira, sob direção de Edoardo de Guarnieri, gravaram a Missa completa, em LP duplo. Trata-se da obra com a maior quantidade de instrumentos orquestrais empregados por Nunes Garcia.’. (Texto retirado da Facebook fan page do Museu da Música de Mariana).

Palhinha: ouça 01. Missa de Santa Cecília CPM 113 – 01. Kyrie

Missa de Santa Cecília CPM 113
Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
Missa de Santa Cecília (1826) – 1. Kyrie
Missa de Santa Cecília (1826) – 2. Gloria: Et in terra
Missa de Santa Cecília (1826) – 3. Gloria: Laudamus Te
Missa de Santa Cecília (1826) – 4. Gloria: Gratias
Missa de Santa Cecília (1826) – 5. Gloria: Domine Deus
Missa de Santa Cecília (1826) – 6. Gloria: Qui Tollis
Missa de Santa Cecília (1826) – 7. Gloria: Qui Sedes
Missa de Santa Cecília (1826) – 8. Gloria: Quoniam
Missa de Santa Cecília (1826) – 9. Gloria: Cum Sancto Spiritu
Missa de Santa Cecília (1826) – 10. Credo: Patrem Omnipotentem
Missa de Santa Cecília (1826) – 11. Credo: Et Incarnatus
Missa de Santa Cecília (1826) – 12. Credo: Crucifixus
Missa de Santa Cecília (1826) – 13. Credo: Et Ressurrexit
Missa de Santa Cecília (1826) – 14. Sanctus. Benedictus
Missa de Santa Cecília (1826) – 15. Agnus Dei

Associação de Canto Coral (Cleofe Person de Mattos, regente)
Orquestra Sinfônica Brasileira (Edoardo de Guarnieri, regente)
Gravado ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 7 de setembro de 1959.


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 435,1 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 233,5 MB – 1 h 37 min
powered by iTunes 11.1.5

.

Notas:

• Você conhece a fan page do Museu da Música de Mariana no Facebook? Não?  Ah… me poupe!!!!! Clique aqui e curta essa fonte de informações!

• … e o site dedicado ao Pe. José Maurício? Também não? Putz! Clique aqui e conheça.

Boa audição.

2rrw7rk

 

 

 

.

.

Avicenna

19 comments / Add your comment below

  1. Ilustre Sr. PQP Bach, há tempos sou vosso admirador e frequentador diarista deste excelente Site. E, por vosso meio conheci a formidável Comunidade O Pensador Selvagem, da qual me orgulho de ser hoje membro articulista, apesar de ainda inédito por absoluta falta de tempo, creio eu, pelo menos assim me alegra supor.
    Por tudo isso e mais, beijo-vos as mãos, como tributário.
    Caro amigo, permita-me chamá-lo assim, tenho um pequeno blog, (motivo de entretenimento para um velho) e, ha pouco “pincei” uma postagem vossa: O Cravo bem Temp. Vol . 01 e 02 gravação de Daniel Chorzempa, pricipalmente por ter importancia demasiada para mim. Devo informá-lo que citei, com muito prazer, a fonte de tal arquivo, vosso Site, afixando links para o mesmo, em forma de agradecimento.
    Bom amigo, como o fiz sem vossa expressa autorização, peço que me informe caso queira que a remova de nosso humilde blog, o que farei imediatamente e sem nenhum ressentimento, tenha absoluta certeza disso.
    Se desejar honrar-nos com uma visita à nossa humilde choupana, o endereço é http://www.pianoclassico.org.
    Obrigado pelo excelente trabalho desenvolvido aí no P.Q.P. espero que continue sempre assim, firme e forte, para tanto, rogo sempre à Deus por vossa saúde.
    Paz.
    Lobão.

  2. Aguarde, Jeferson, continue nos visitando, que estamos sempre postando o Pe. José Maurício, inclusive em breve teremos a Missa Pastoril.
    Um abraço!

  3. Não gostei não… operística demais. Mas gostei muito das “Obras de Capela”, dele, com regência de Ernani Aguiar. Obrigada por ter postado!!

  4. Hi,
    It may be remastered, but there is still the same lousy background noise. The soprano sounds like a dead canary.
    For the rest beautiful music!

  5. Caríssimo amigo Avicenna – é incrível como eu não havia me dado conta de que esta versão da Sta Cecília já estava aqui no nosso blog, até você dizer isso na postagem da versão do Kanji.

    Vim ouvir, e dei toda razão ao Harry Crowl. Não sei se o Kanji pretendeu “restaurar” essa peça a um estilo mais setecentista – mas foi um furo nágua. Através da versão dele entreouvi “peraí, isso aqui já deveria soar estilisticamente emparelhado com certas coisas de BEETHOVEN, não mais com Mozart” – e não deu outra, aqui estou ouvindo que é verdade!

    Ele pode ter chegado aqui via Rossini, via o que for, mas sim: só agora vejo todo o escopo de um compositor capaz de fazer motetos contidíssimos, intencionalmente neo-renascentistas dentro do seu setecentismo… e chegar também a este efetivo romantismo inicial. É curioso pensar, de resto, que Beethoven e José Maurício compuseram suas obras no mesmo ano. Não que este esteja estilisticamente emparelhado com o Beethoven final – mas QUEM no mundo estava emparelhado com o Beethoven final? Absolutamente ninguém, e então nem temos que lembrar que mesmo com Leopoldinas e Neukomms o Rio não ficava na Áustria: isto aqui é uma realização absolutamente espantosa sim!

    E às vezes eu penso que eu conheço alguma coisa de música… Mas sempre aparece alguma obra pra nos dizer: “você PENSAVA que conhecia, hahaha!”

  6. Pois é, Ranulfus, ainda assim essa gravação foi feita nascoxalmente pela Funarte que não teve o profissionalismo de separar as faixas. Tudo isso baseado num raquítico master disc.
    Deu um trabalho danado, mas ficou +/-.

  7. Prezadíssimo PQP,

    é paranoia da minha parte (que aliás prefere paranóia com o acento que lhe dá uma histéria mais autêntica) ou o RapidShare tem derrubado seus links? Tentei três da Cecilia Bartoli há instantes e nos três fracassei. Também a Novo Mundo do Dvórak… Aiaiai…

  8. Essa missa do padre José Maurício está no mesmo espírito hiperbólico da missa de Gounod à santa dos músicos e dos cantores. Tem que não goste. Eu gosto.

  9. Ah, Avicenna! Nos coloca de novo no ar a Missa de Santa Cecília, que dádiva! Tem o Glória mais eloquente, esfuziante, mais “glorioso” que já ouvi em toda a minha vida! Simplesmente maravilhoso. Te adoro!

Deixe uma resposta