Mozart (1756-1791): Concertos para Piano Nos. 9 e 24 & Quarteto com Piano K. 478 – Rudolf Firkušný ֎

Mozart

Concertos para Piano Nos. 9 e 24

Quarteto com Piano K. 478

Rudolf Firkušný

 

Este é um daqueles discos que poderia muito bem ser encontrados na gôndola de queima de estoques da loja. Até os sebos – lojas de CDs usados – têm um espaço destes onde reúnem de tudo – CDs promocionais, CDs de banca e aqueles selos quase desconhecidos. Tudo oferecido a preço de ocasião. Eu sempre gostei de garimpar nestes locais em busca de algum esquecido tesouro, especialmente em alguma preguiçosa tarde chuvosa, no meio de uma ronda por tais lojas. O CD em questão é bem típico. Selo quase desconhecido: Intercord. Capa genérica com uma pintura abstrata que mais se parece com um borrão e letras com tipos bem ordinários. Um olhar mais atento, no entanto, começa a revelar uma possível compra: concertos para piano de Mozart. Dois concertões! A orquestra de uma Rádio Alemã é garantia de competência, que se eleva com a revelação do nome do maestro: Ernest Bour. Especialista em música moderna, mas também excelente nos clássicos. O empurrão que faltava em direção à carteira vem do nome do solista, o espetacular pianista tcheco, Rudolf Firkušný. Grande especialista em música de Janáček e Martinů, mas ótimo pianista em geral, como vocês poderão atestar por este disco.

Ernest Bour

Os dois concertos do disco são os maiores e mais intensos (se podemos dizer assim) de seus respectivos períodos. O Concerto em mi bemol maior, K. 271, é de 1777 e foi composto em Salzburgo, motivado pela visita de uma pianista virtuose francesa, Mademoiselle Jeunehomme. O concerto é muito bonito, em especial o andantino. No disco, este concerto vem em segundo.

O outro é o Concerto em dó menor, K. 491, de 1786, mesma época da composição do Figaro assim como de outros concertos. Este é possivelmente o concerto para piano no qual Mozart chegou mais próximo do romantismo. É um grande concerto e usa uma orquestra completa e foi muito admirado por Beethoven.

Para completar o pacote ‘Mozart – Firkušný’, estou colocando como bônus o Quarteto com Piano em sol maior, K. 478, no qual Firkušný colabora com membros do Quarteto Panocha, que na época eram muito mais jovens do que ele. Eles se conheceram durante uma turnê do quarteto, quando eles tocaram em uma festa oferecida por uma personalidade, em Nova York. Firkušný estava na festa e eles se tornaram amigos. Só bem depois eles tiveram oportunidade de realmente tocarem juntos. A amizade entre o idoso pianista e os jovens músicos cresceu, assim como o projeto de gravar os dois quartetos de Mozart. A gravação da peça que está no arquivo ocorreu em setembro de 1992, mas os planos para a gravação do outro quarteto, no entanto, foram interrompidos pela morte de Firkušný, o que foi uma grande pena. Mas esta gravação revela como música pode unir gerações e aproximar pessoas de idades das mais diversas e fica como uma homenagem a este grande pianista.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)

Concerto para Piano em dó menor, K. 491

  1. Allegro
  2. Larghetto
  3. Allegro

Concerto para Piano em mi bemol maior, K. 271

  1. Allegro
  2. Andantino
  3. Presto

Rudolf Firkušný, piano

SWF Sinfonie-Orchester Baden-Baden

Ernest Bour

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 238 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 138 MB

(In Honorem Rudolf Firkušný)

Quarteto com Piano em sol maior, K. 478

  1. Allegro
  2. Andante
  3. Rondo (Allegro)

Rudolf Firkušný, piano

Panocha Quartet (membros):

Jiří Panocha, violino

Miroslav Sehnoutka, viola

Jaroslav Kulhan, violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC |97 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 56 MB

A evolução do Quarteto Panocha

Veja parte de um testemunho de uma aluna Firkušný que poderá ser lido na íntegra aqui.

‘I had the great honor to study with Firkusny at Juilliard for five years, and in person he was as modest and affable as he was unruffled and commandingly communicative on stage. The sweet scent of his cherry tobacco pipe and kindliness of his smile greeted me upon entry to Room 557 for my lessons. They’re etched in my memory as are his endless patience and aristocratic demeanor during my lessons’. (SARA DAVIS BUECHNER)

Aproveite!

René Denon

Veja a cara que o Miles Kendig fez ao ver a prévia da postagem…

2 comments / Add your comment below

  1. Meu caro René, muito me alegra que, por tua iniciativa, esse mestre do teclado comece a aparecer no blog – tanto nessa postagem quanto na outra, com Beethoven, que publicaste há alguns meses. Nunca encontrei pontos baixos, sequer planícies, na imensa discografia do versátil Firkušný. Posto isto, admiro especialmente suas gravações da Primeira Escola de Viena, e também aquelas que ele fez no final da carreira, na Tchecoslováquia-quase-República-Tcheca depois da Revolução de Veludo – o que, em outras palavras, significa que tuas postagens uma vez mais acertaram-me em cheio.
    Grato por mais esta!

Deixe uma resposta