SENSACIONAL CONCURSO. GANHE PREMIOS NO P.Q.P. BACH!!

Os 9 CD’s da famosa coleção do Museu da Música de Mariana já foram postados.
Queremos agora compartilhar os respectivos livros de partituras originais com nossos ouvintes.
Um rico, exaustivo e dispendioso trabalho de 150 profissionais que durou 3 anos.

Fiquem ligados! Na quarta-feira, 04.11.09, às 19:00 horas lançaremos um “quiz” com 14 perguntas.
Os 7 primeiros que acertarem mais respostas receberão gratuitamente um dos livros de partituras pelo Sedex, além de uma noite com Mônica Bellucci num motel.
O concurso será acompanhado pelos auditores independentes da Bob Jefferson & Juíz Edilson Auditores Mui Honestos Ltda.
Os casos não previstos em nosso regulamento serão decididos pela comissão formada por Avicenna e sua consciência. Aqueles que reclamarem de suas justas decisões serão mandados à merda, sem direito à desagravo.

Veja o filme sobre estes livros de partituras no Youtube!

NÃO PERCAM!! NÃO É SEMPRE QUE TRATAMOS VOCÊS BEM!! FIQUEM LIGADOS!!

5 comments / Add your comment below

  1. Gostaria de solicitar uma ajuda sobre uma duvida técnica.
    Após fazer o download, algumas vezes eu gravo em CD determinadas gravações e há duas formas p/ isto, como MP3 ou como CD de audio.
    Posso as vezes gravar até 8 CD´s em formato MP3 em um CD e apenas 1 CD em formato audio como se fosse apenas uma cópia.
    Existem diferenças de qualidades entre estes dois tipos de gravação?
    Eu noto apenas que há difereças quando a gravação é antiga (pior sonoridade,som muito agudo) ou recente (melhor, com os sons graves mais definidos).
    Grato…

  2. Sim, com certeza existe diferença, porém já li uma matéria em que dizia que o ouvido humano não conseguia perceber diferenças de qualidade nas músicas em mp3 a partir de 160 kbps, ou seja, o texto dizia que bastava a qualidade de 160 kbps para que pudéssemos ter uma música com uma qualidade sonora excelente. Um cd tem a qualidade de 1411 kbps. Geralmente os arquivos que são disponibilizados aqui no blog têm a qualidade 320 kbps, todavia baseado nas informações que li em um site, geralmente disponibilizo minhas postagens com as músicas na qualidade de 192 kbps.
    Agora atenção: Não confundir o kilobit por segundo usado nas transmissões de áudio com kilobyte por segundo, que é uma unidade 8 vezes maior. Vide informações na Wikipédia.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Kilobit_por_segundo
    Espero não ter complicado ainda mais a sua cabeça.

    1. Grato pela atenção, Strava
      É complicou um pouco…
      Pois entendo que a unidade de Kbps é uma unidade de transmissão de dados isto é, quanto maior o Kbps mais informação ou mais sons são transmitidos.Mas quando eu gravo ou compacto isto em um CD eu preservo a quantidade de sons que foi transmitidas?
      Como vou saber se aquela gravação que eu fiz está com boa qualidade sonora ? apenas ouvindo?
      Se depender da minha limitada competência auditiva, eu apenas noto que as gravações de CD compradas é muito superior aos que eu gravo,
      Citando um exemplo…Quando ouço seu xará Stravinsky em Sagração da Primavera o som dos violoncelos e contra-baixos na primeira parte “A adoração da terra” na versão comprada o som é muito, muito superior (“enche a sala”).
      Acredito que não estou conseguindo gravar direito…

      1. Na verdade, uma vez convertido em mp3, o áudio perde qualidade. Reconverte-lo em wav não adianta nada.

        Porém, eu discordo muito dessa de que “nossos ouvidos não percebem a diferença”. A diferença do mp3 para o wav é gritante. E a diferença do cd (wav) para o lp também é gritante! Num bom aparelho, com agulhas novas, e com um disco preservado, não há chiados e o som tem muito mais colorido. Isso acontece porque na digitalização do áudio, exclui-se algumas freqüências médias, que são, num primeiro momento, menos perceptíveis ao ouvido do que as freqüências graves/agudas; mas que são responsáveis justamente por esse efeito de “encher a sala”.

        Mas, todavia: ao converter o wav em mp3, compacta-se o arquivo excluindo dele “”””freqüências imperceptíveis””””. Uma boa solução é converter o wav para o formato lossless que é um pouco mais pesado do que o mp3, mas que tem uma qualidade de som muito próxima à original. Porém, penso eu que adotar o formato lossless num blog como este é inviável, uma vez que os uploads seriam bastante demorados (além do quê, uma gravação como a Paixão de S Mateus por exemplo, seria um arquivo titânico em megabytes – pense que os arquivos teriam o triplo do seu “tamanho”, comparando mp3 e lossless).

        Abraços!!

Deixe uma resposta