BTHVN250 – A Obra Completa de Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Leonore, Op. 72a – Martinpelto – Begley – Gardiner

Qualquer lançamento de John Eliot Gardiner é um tremendo evento e, normalmente, ninguém perde por esperar.

Foi assim quando ele lançou sua “Leonore” em 1997, com a qual pude finalmente conhecer a versão original de “Fidelio” em todo seu esplendor de obra de próprio mérito, e não, como muitas vezes a consideram, uma crisálida imperfeita duma obra maior. Foi-me uma tremenda descoberta, em especial pelo tom impetuoso, revolucionário da trama e da música que a acompanha, muito mais afeito ao espírito do tempo e dos ventos então recentes da Revolução Francesa. “Fidelio”, em comparação, pareceu-me não só uma obra de maturidade, mas também um reparo – uma retratação. Havia uma espontaneidade e energia na “Leonore” de Gardiner que, até, me trouxe a ideia de que “Fidelio”, sim, fora um erro, e que a extensa poda e completa reformulação de libreto e música foram uma perda considerável, e não uma real melhoria.

Com o tempo, e com meus grisalhos, “Fidelio” foi crescendo em meu conceito. Reconheço que é uma obra melhor urdida, com narrativa fluida e música adequadamente poderosa e concentrada. Cada vez que revisito essa “Leonore” de Gardiner eu me admiro com a clareza e limpidez da execução da orquestra, reafirmo a certeza de que o Monteverdi Choir é o melhor coro do planeta, e aprecio o elã que Gardiner traz para o pódio, sem deixar cair a peteca da trama, ademais extensa e cheia de momentos supérfluos. Por outro lado, estranho cada vez mais o estranho híbrido que ele criou, juntando ao que é grosso modo a versão integral de 1805 alguns pedaços da remontagem abreviada de 1806 e, até mesmo, trechos de “Fidelio”, de nove anos depois. Nunca entendi o que levou um músico desse naipe, normalmente tão estrito em sua observância aos princípios da interpretação historicamente informada, a tal arbitrária colagem. Tampouco entendi a participação do narrador, o veterano ator alemão Christoph Bantzer, a comentar com textos de sua própria lavra a narrativa, entre leituras de outras obras, como a tradução alemã de William Wordsworth que abre as cortinas. Se permitirem a Gardiner a licença poética, sugiro então que programem somente a música de “Leonore” – numerada abaixo de 1 a 18, mais a abertura – e passem ao largo dos diálogos: apesar da estranheza, valerá a pena.

 

Ludwig van BEETHOVEN (1770-1827)

Leonore, oder Der Triumph der ehelichen Liebe (Leonora, ou o Triunfo do Amor Conjugal), ópera em três atos, Op. 72
Libreto de Joseph Sonnleithner, baseado em “Léonore, ou L’amour conjugal” de Jean-Nicolas Bouilly
Textos da narração: Christoph Banzer

1 – Abertura (“Leonore II”)

PRIMEIRO ATO

2 – ‘…Twas in Truth’
3 – No.1, ária: ‘O war ich schon mit dir vereint’
4 – ‘Beharrlich bleibt auf dem Liebespfad’
5 – No.2, dueto: ‘Jetzt, schatzchen, jetzt sind wir allein’
6 – ‘Der Kerkermeister, Rocco, der Vater’
7 – No.3, trio: ‘Ein Mann ist bald genommen’
8 – ‘Fidelio kam – und niemand weiss woher’
9 – No.4, quarteto: ‘Mir ist so wunderbar’
10 – ‘Gefuhl ist gut, doch Geld ist besser’
11 – No.5, ária: ‘Hat man nicht auch Gold beineben’
12 – ‘Unantastbar klar birgt Leonores Brust’
13 – No.6, trio: ‘Gut, Sohnchen, gut’

SEGUNDO ATO

14 – No. 7: Introdução em Ré maior
15 – ‘Der Gouverneur ist da’
16 – No.8, ária com coro: ‘Ha! Welch ein Augenblick!’
17 – ‘Postiert eine Trompete auf dem Augenblick!’
18 – No.9, dueto: ‘Jetzt, Alter, hat es eile!’
19 – ‘Und Leonore Begegnet Marzelline’
20 – No.10, dueto: ‘Um in der Ehe froh zu Leben’
21 – ‘Die Ernsten und Arie’
22 – No.11, recitativo e ária: ‘Ach, brich noch nicht, du mattes Herz!…’

23 – No.12, finale: ‘O welche Lust, in freier Luft’
24 – No.12, recitativo: ‘Entfernt euch jetzt! Nun, konnt Ihr eilen?’
25 – No.12, dueto: ‘Wir mussen gleich zu Werke schreiten’
26- No.12, ária: ‘Auf euch nur will ich bauen

TERCEIRO ATO

27 – ‘Florestans not im Dunkel Tauber einsamkeit’
28 – No.13, recitativo e ária: ‘Gott! Welch Dunkel kier!…’
29 – No.14, melodrama e dueto: ‘Wie kalt ist es in diesem unterirdischen Gewolbe!’
30 – Dueto:  ‘Nur hurtig Fort, nur frisch Gegraben’
31 – ‘Dort, in der Tiefe’
32 – No. 15, trio: ‘Euch werde Lohn in bessern Welten’
33 – ‘Und Rocco eilt’
34 – No. 16, quarteto: ‘Er sterbe! Doch er soll erst wissen’
35 – ‘Oh Leonore! Alles was dein Mut gewagt – Verloren!’
36 – No.17, recitativo e dueto: ‘Ich kann mich noch nicht fassen’
37 – No.18, finale: ‘Zur Rache! Zur Rache!’
38 – No.18, finale: ‘O Gott! O welch ein Augenblick!’
39 – No.18, finale: ‘So mussen endlich aufgeklarte!’
40 – No.18, finale: ‘Doch hore erst, du Bosewicht’
41 – No.18, finale: ‘Dann Herrscht allgemeine Freiheit und Gleichheit der Geister’
42 – No.18, finale: ‘Nein, nein, nein! Er ist noch zu gering bestraft!’
43 – No.18, finale: ‘Ein hoherer Geist, vom Himmel gesandt’
44 – No.18, finale – recitativo: ‘Der Konig wird dein Richter sein!’
45 – No.18, finale: ‘Wer ein holdes Weib errungen’
46 – Leonore, apêndice: No.7a – Marcha (versão alternativa) em Si bemol maior


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Hillevi Martinpelto, soprano (Leonore)
Christiane Oelze, soprano (Marzelline)
Kim Begley, tenor (Florestan)
Michael Schade, tenor (Jaquino)
Rob Burt, tenor (prisioneiro I)
Colin Campbell, barítono (prisioneiro II)
Franz Hawlata, barítono (Rocco)
Matthew Best, baixo (Pizarro)
Alastair Miles, baixo (Don Fernando)
The Monteverdi Choir
Orchestre Révolutionnaire et Romantique
John Eliot Gardiner, 
regência


É raríssima a oportunidade de ouvir a versão retrabalhada de Leonore, estreada em 1806: a única versão disponível em disco, com a regência de Marc Soustrot, eu só escutei na rádio, e nunca tinha assistido a uma montagem dela antes de encontrar esta aqui, levada à cena no próprio Theater an der Wien em que ela estreou, e com o Concentus Musicus Wien sob a regência de Stefan Gottfried (o fundador do CMV, conde d’Harnoncourt-Unverzagt, aparece numa breve entrevista no início do vídeo)

#BTHVN250, por René Denon

Vassily

Deixe uma resposta