Mozart (1756-1791): Concerto para dois pianos K 365 & Sinfonia Concertante K 364 – Norwegian Chamber Orchestra & Iona Brown

Mozart

Concerto para dois pianos 

Sinfonia Concertante para violino e viola

Norwegian Chamber Orchestra

Iona Brown

 

O disco desta postagem não se cansa de me dar alegrias. Ao ouvi-lo não é difícil crer que Mozart sentia um grande prazer no convívio com outros músicos com os quais podia compartilhar sua imensa genialidade musical. Uma desta pessoas certamente foi Johann Christian Bach, o Bach de Londres. Os relatos de como os dois passavam tempo ao piano são bem conhecidos, tais como este deixado por Nannerl, irmã de Mozart:

“Herr Johann Christian Bach, music master of the queen, took Wolfgang between his knees. He would play a few measures; then Wolfgang would continue. In this manner they played entire sonatas. Unless you saw it with your own eyes, you would swear that just one person was playing.”

Håvard Gimse

A própria Nannerl certamente era outra destas pessoas com quem o convívio musical era prazeroso. Foi para tocarem juntos que este concerto para dois pianos foi composto. A orquestração tem seus débitos para com a música de J. C. Bach, mas a alegria e maestria da parte para os solistas testemunham esta camaradagem e cumplicidade existente entre os irmãos. Esta cumplicidade e alegria foi devidamente revivida nesta linda gravação pelos dois pianistas noruegueses Håvard Gimse e Vebjørn Anvik.

Vebjørn Anvik

Eu cheguei ao álbum seguindo a trilha do nome do violista Lars Anders Tomter, o qual eu conhecia por um lindo disco com sonatas para viola (ou clarinete) de Brahms. Foi então que me dei conta do nome da regente, Iona Brown. Ela foi uma violinista que fez carreira na orquestra de Neville Marriner, a Academy of St. Martin-in-the-Fields. Começou nas fileiras de violinos, chegou a primeiro violino e solista e também direção da orquestra.

Lars Anders Tomter

Quem viveu a transição dos LPs para Cds deve lembrar-se da gravação dos Concerti Grossi, Op. 6, de Handel, pela Academy of St. Martin-in-the-Fields, surpreendentemente dirigida por outra pessoa que não fosse Neville Marriner.

Iona Brown assumiu a Orquestra de Câmera da Noruega em 1981 com grande sucesso. Este disco é uma boa prova disto. Esta gravação da Sinfonia Concertante, na qual ela atua como solista e também regente foi escolhida pela revista Gramophone com a melhor, em uma lista de fazer inveja… Veja aqui.

 

Wolfie e Nannerl

Wolfgang Amadeus Mozart (1756 – 1791)

Concerto para dois pianos e orquestra em mi bemol maior, K 365

  1. Allegro
  2. Andante
  3. Allegro

Sinfonia Concertante para violino, viola e orquestra em mi bemol maior, K 364

  1. Allegro majestoso
  2. Andante
  3. Presto

Håvard Gimse & Vebjørn Anvik, pianos

Lars Anders Tomter, viola

Norwegian Chamber Orchestra

Iona Brown, violino e regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 209 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 130 MB

Iona Brown (1941 – 2004)

Veredito da Gramophone sobre a gravação da Sinfonia Concertante: Top Choice

Superbly matched soloists and lithe ensemble playing in a joyous performance mingling subtlety of detail with a natural Mozartian flow. The Andante is profoundly moving in its subtlety and restraint.

Aproveite!!

René Denon

5 comments / Add your comment below

  1. Olá, René.

    O senhor acha possível a sinfonia concertante (K 364) não ser de Mozart? Pelo pouco que havia lido, e novamente agora nesse texto da Gramophone, há certa ambiguidade em relação à sua origem. Tal questão de certa maneira me intriga, por conta do mistério que poria sobre a obra…
    Sobre o álbum da postagem, obrigado por compartilhá-lo. Eu gostei, não conhecia ainda esse concerto para dois pianos e orquestra (pois é). Notei, na sinfonia concertante, um tom não expansivo — presente em gravações que conheço — mantendo-se ao mesmo tempo toda a riqueza de diálogos dessa obra. É também muito bom poder escutar uma regente.
    Permita-me uma caceteação a mais: gostei tanto de gravações compartilhadas por algumas de suas postagens (em especial) contendo a música de Mozart, que, quando vejo uma publicação sua que traz este compositor, ouço quase que imediatamente.

    1. Olá, Otavio!
      Espero que tudo esteja bem com você nestes dias de tantas preocupações e incertezas. Obrigado pela sua mensagem. Observa-se que pensou bem para redigi-la.
      Por favor, deixemos de lado formalidades e espero que na próxima vez que escreveres eu seja tutelado.
      Eu acredito com confiança que a Sinfonia Concertante é uma composição de Mozart. O livro de Stanley Sadie e o de Richard Baker nem vacilam em mencionar que a peça foi composta em 1779, um pouco antes do rompimento de Mozart com o Arcebispo Coloredo e sua mudança para Viena. Baker inclusive afirma que esta é uma das melhores peças deste período. Como discordar? Bem, este gênero de sinfonia com instrumentos solistas era comum em Mannheim e Paris, círculos conhecidos por Mozart. (Haydn compôs pelo menos uma destas peças.) Provavelmente Mozart não produziu mais obras desta forma devido a falta de motivação para a execução. Viena foi chamada por ele de Terra do Piano. Concertos para piano e óperas estavam mais em demanda. Veja que também não tivemos mais concertos para violino.
      O interessante desta obra (a Sinfonia Concertante) é que os instrumentos solistas são parceiros e o movimento lento é particularmente maravilhoso.
      Eu gosto muito muito da música de Mozart e as escolhas de material para minhas postagens costumam sair daquilo que estou ouvindo. Em particular estes dias Mozart tem andado bastante presente em minhas audições.
      Espero que minhas postagens continuem a lhe oferecer bons e alegres momentos!
      Forte abraço!
      René Denon

      1. Segundo Aaron Copland no livro ” Como Ouvir e Entender Música”, toda música é composta de
        Harmonia – Melodia – Ritmo e Timbre. Seguindo esta análise e ouvindo a Sinfonia Concertante
        penso que fecha com a Veia Mozartiana. É como um carimbo, uma assinatura, o estilo próprio.
        Obrigado por estas belas gravações. Forte abraço do Dirceu.

Deixe uma resposta