DESAFIO PQP! -> Beethoven (1770-1827): Famosas Sonatas para Piano ֎

BTHVN

Sonatas Famosas

Desafio revelado: A pianista é Dubravka Tomšič, nascida na linda cidade de Dubrovnik, na Croácia. O disco é uma dessas pequenas joias escondidas nos balaios de ofertas das lojas de disco ou nas franjas das páginas do tipo ML.

 

Luar sobre a Lagoa de Piratininga…

Três sonatas para piano que se destacaram por receberem apelidos: Patética, Ao Luar e Waldstein. Além da numeração ou da tonalidade, essas sonatas ganharam tanto a predileção do público que são conhecidas pelo nome. E realmente, se você quiser dar a alguém uma ideia de como a música de Beethoven é magistral, estas três sonatas serão um excelente ponto de partida. No conjunto há aqueles momentos de suspense, de enternecimento, nos quais os lencinhos vão aos olhos, também aqueles eloquentes silêncios e, principalmente, aquelas irrupções tempestuosas de acordes e de emoções que, se não destroem os pianos, podiam arrebentar uma corda ou duas.

Conde Waldstein

Aqueles entre nós que já ouvem música há mais tempo têm suas preferidas versões, suas escolhas já feitas. De qualquer forma, percorrer as prateleiras de CDs buscando aquela versão especial para ouvir no momento ou para mostrar a alguma companhia enquanto se bate um animado papo sobre música é uma boa antecipação do prazer. Se bem que CDs e prateleiras são cringe e o que é in agora é escolher o arquivo certo no aplicativo estiloso.

Eu tinha um amigo que gostava de adivinhações. Ele selecionava uns dois ou três discos (não tínhamos tantos naqueles dias) com música de um mesmo compositor e fazíamos audições às cegas – mais ou menos como se fazem nos cursos de degustação de vinhos – e depois tentávamos adivinhar as peças e os intérpretes. As peças era a parte mais fácil, mas adivinhar o intérprete era mais complicado e em muitos casos tínhamos interessantes surpresas.

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827)

Sonata No. 8 em dó menor, Op. 13 – Pathetique

  1. Grave – Allegro di molto e con brio
  2. Adagio cantabile
  3. Rondo (Allegro)

Sonata  No. 14 em dó sustenido menor, Op. 27, 2 – Ao Luar

  1. Adagio sostenuto
  2. Allegretto
  3. Presto agitato

Sonata No. 21 em dó maior, Op. 53 – Waldstein

  1. Allegro con brio
  2. Introduzione. Adagio molto
  3. Rondo. Allegretto moderato – Prestissimo

Dubravka Tomšič, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 129 MB

A surpresa da Dubravka quando lhe contamos do desafio feito aos nossos seguidores…

Assim, proponho essa brincadeira para nossos seguidores, de adivinhar o intérprete destas três lindas sonatas. Se você se divertir ouvindo os arquivos, já ficarei muito feliz. Se adivinhar quem está por trás das teclas, mais ainda. Aquele que enviar uma mensagem fazendo uma tentativa de acertar, terá acesso livre a tantos downloads quanto conseguir e, se além disso, acertar o nome, ganhará uma cocada (virtual)! Não deixe de participar da brincadeira e mantenha contato com o blog para quando houver a grande revelação!

Aproveite!

René Denon

Quem tem majestade…

27 comments / Add your comment below

  1. Eu gostaria que você publicasse o álbum Fiesta Criolla del Ensamble Elyma. Recuerdo que en versiones anteriores de este blog ya habían publicado ese disco, pero ya no se ha vuelto publicar.

    PD. Disculpe si el mensaje no sea claro, como no hablo portugues usé un traductor.

    1. Olá, Filogonio!
      Sua mensagem está bem clara, sem problemas. Fico feliz em saber que você conhece e visita o blog, seja sempre muito bem vindo!
      Quanto ao álbum que você menciona, digo que o blog é composto por vários colaboradores. Tenho certeza que, se algum de nós dispõe do arquivo, fará uma reedição da postagem ou pelo menos revalidará o link.
      Enquanto isso, espero que nossas outras publicações encontrem seu agrado.
      Forte abraço do
      René

  2. Eu gostaria que você publicasse o álbum Fiesta Criolla del Ensamble Elyma. Lembro que nas versões anteriores deste blog eles já haviam publicado aquele álbum, mas ele não foi publicado novamente.

    P.S. Desculpe se a mensagem não está clara, como não falo português utilizei um tradutor.

    1. Olá, Agostinho!
      Ótimos pianistas, mas bem diferentes uns dos outros.
      Lang Lang é o que eu ouço menos, mas talvez seja pela superexposição.
      De qualquer forma, assumo pelos nomes que você gostou do disco.
      Abração!
      RD

  3. Caro René,
    descobri quem é o pianista (ou seria a pianista?). Mas não vou revelar porque descobri pesquisando e não pelo ouvido, de modo que não estaria de acordo com o espírito da brincadeira que vc propôs.
    Parabéns pelo site.
    Abraço,

    1. Prezado Sérgio,

      Os meus conhecimentos musicais não chegam para distinguir entre performances. Tentei pesquisar. Tentei muito. Não consegui. Ainda pensei em Radu Lupu. Depois Kempff. Depois desisti. Fico a aguardar tamanha revelação.
      Excelente esta ideia do René, mas não avance muito mais. Não nos peça para identificar a marca do piano sff.

      1. Olá, Rui!
        Escolha:
        a) Steinway
        b) Bosendorfer
        c) Fazioli
        d) Yamaha
        e) Blüthner
        f) nda
        kkkkkk!
        Fico feliz em saber que você gostou da brincadeira…
        Aguarde pela revelação!
        Abraços do
        René

  4. Querido René,
    Gostei muito de voltar a ouvir essa gravação, que foi a primeira que tive dessas obras. O selo era o melhor amigo do melômano que queria formar sua CD-teca sem ter que gastar dólares para isso. Ainda que a qualidade do som deixasse a desejar, os artistas eram bons, embora pouco conhecidos, como é o caso de quem está a tocar Beethoven – alguém que nasceu numa cidade litorânea belíssima, mudou de passaporte várias vezes durante a vida (mesmo sem o desejar) e que teve como professor um dos mais célebres pianistas de todos os tempos, notório por ter poucos alunos.
    Chama a atenção nessa gravação a execução da passagem a 8:20 do finale da “Waldstein”, com safados “glissandi” em oitavas que não eram tão cabeludos nos pianofortes dos tempos de Ludwig, mas que ficam complicados nos teclados pesados de hoje em dia. Quem executa a sonata na gravação opta pela prática hoje comum de dividir as notas entre as duas mãos nas notas descendentes, mas curiosamente parece executar o “glissando” ascendente como prescrito por Czerny, em oitavas tocadas somente com a mão esquerda.
    Grato pela oportunidade de ouvir novamente a gravação e constatar que ela resistiu bem à comparação com as tantas outras que ouvi nesses anos que se passaram desde que a comprei – veja só – num supermercado. Um abraço!

    1. Caríssimo Conde Vassily!
      Como sempre, sua resposta é gentil, reveladora, precisa e cheia de ótimas dicas…
      Fico feliz em saber que você se interessou pela postagem e que a gravação lhe rendeu boas memórias!
      Eu gosto muito dela!
      Abração do
      René

  5. O comentário do Vassily é como sempre bem escrito e seu texto foi pensado cuidadosamente em dar uma série de dicas, que juntas não permitem qualquer pesquisa pelo Google… Parabéns, pois apimenta a brincadeira! Confesso que nunca tinha ouvido esse pianista, me surpreendi pela sua qualidade e pelo seu currículo. Aliás esses desafios servem para apresentar no blog outros artistas. Aliás, fica a minha dica: salvo engano, essa é a primeira aparição desse pianista no blog…

    1. Realmente, RN, o texto do Vassily dá pistas, mas não para algum sherloque digital… A brincadeira, no entanto, não é exclusiva, se alguém descobre a identidade do artista por comparação, o mérito é grande. E como você disse, minha intenção é buscar maior participação no blog de nossos seguidores.
      Pelo caminho, o nome do pianista, ou da pianista como devemos considerar, já foi citado no blog em outra publicação, mas este é o primeiro disco a ser postado.
      Abração!
      R:D

  6. Que brincadeira bem bolada, René! Vou baixar o arquivo, mas já com a certeza clara de que não tenho condições de adivinhar o(a) executante.

    1. Oi, Rui!
      Nem tanto ao mar, nem tanto à terra…
      Você não precisará esperar até o Natal para a revelação… mas deixemos mais um tempo para o pessoal tentar.
      Nossas postagens passam tão rápido, já vem outras e elas ficam acumuladas aí no blog.
      Espero que mais um ou outro tente responder, depois eu conto…
      Abração!
      R:D

  7. Dubravka (si estoy bien informado) fue la única discípula del gran Arthur Rubinstein.
    Saludos desde Buenos Aires (en algún tiempo más, escribiré en portugués).

    1. Olá, Juliowolgang!
      Como sempre estás muito bem informado. Realmente, Dubravka estudou na Juilliard School of Music e privadamente com Rubinstein.
      Entre as nossas línguas, a pequena diferença é que vocês chamam milho de maíz e falam gaivotas como as crianças…
      Forte abraço!
      René
      PS: Temos aqui um produto muito usado na culinária que chamamos Maizena…

  8. Muito obrigado pela revelação – para mim – desta pianista. Excelente disco. Magnífico passatempo. Grandioso blog dos blogues, sempre com textos também eles, de enorme interesse, informação e formação do bom gosto musical. Muito obrigado! (desde Lisboa).

  9. Só mais uma nota: nem sempre escrevo ou vos agradeço, como me cumpria, pelo valiosíssimo trabalho. Mas não passa dia e, por vezes mais que um vez por dia que eu não venha visitar a página, como um ritual, um ofício litúrgico a que me obrigo. É a minha vade mecum musical. Admiro mesmo. Muito! Obrigado.

    1. Olá, Horácio!
      Sua mensagem é muito bem recebida aqui e um grande incentivo para todos nós (que contribuímos para o PQP Bach). Todos os dias, olharei o blog pensando… espero que o Horácio esteja gostando desta aqui…
      Forte abraço (desde Niterói)
      RD

  10. Esse desafio eu acertei, afinal as dicas foram ótimas e bem reveladoras, principalmente para quem que ficava fuçando balaios de ofertas em supermercados e lojas de discos que estavam fechando.

Deixe uma resposta