Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Requiem, com Peter Schreier [link atualizado 2017]

SHOW DE BOLA !!

Hoje acordei com um instinto blockbuster: só querendo os famosos!
Saquei de minhas posses esta primorosa versão do Requiem de Wolfgang Amadeus Mozart, sob a condução de Peter Schreier. Não que eu conheça “trocentas” execuções diferentes dessa peça, mas ela em agrada imensamente aos ouvidos: os solistas são de primeira linha, com destaque para a doçura encarnada na voz de Margaret Price e as notas decididas do baixo Theo Adam, aqui desenvolvendo bem até as notas mais agudas de seus solos, quase um barítono. A condução de Schreier, ainda que não o faça ante uma orquestra com instrumentos de época, é muito sensível ao que as músicas devem exprimir: o Kyrie é pesado, o Dies Irae é (meu Deus!) decididamente irado, a Lacrimosa é de partir o coração e o Santus é portentoso, glorioso! Nem preciso falar muito… É muito bom!

Há mais duas versões do Requiem, ambas de cair o queixo, aqui e aqui no P.Q.P.Bach. Ouça todas. Compare. Deleite-se.

(Seguindo a linha blockbuster, se tudo der certo, terça ou quarta da semana que vem posto a Carmina Burana de Carl Orff) 

Obra para ter na prateleira ou, pelo menos, no seu HD. Ouça e torne sua semana mais completa!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Requiem – completado por Franz Xaver Süssmayr (1766-1803)

01. Introitus: Requiem
02. Kyrie
03. Sequentia: I. Dies irae
04. Sequentia: II. Tuba mirum
05. Sequentia: III. Rex tremendae
06. Sequentia: IV. Recordare
07. Sequentia: V. Confutatis
08. Sequentia: VI. Lacrimosa
09. Offertorium: Domine Jesu
10. Offertorium: Hostias
11. Sanctus
12. Benedictus
13. Agnus Dei
14. Lux aeterna

Margaret Price, Soprano
Theo Adam, Bass
Trudeliese Schmidt, Alto
Francisco Araiza, Tenor
Leipzig Radio Chorus
Dresden Staatskapelle
Peter Schreier, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (121Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Ouça! Deleite-se! … E não se esqueça de nos escrever umas letrinhas amigas…

Bisnaga

15 comments / Add your comment below

  1. Sr. Bisnaga, obrigado por me proporcionar o reencontro com esta gravação que foi o primeiro LP que eu comprei há muitos anos. Aos poucos fui abandonando os LPs para aderir aos CDs e depois para as musicas mais faceis de manipulação constituidas pelo mp3. Continui se trabalho, juntamente com os demais componentes do Blog, aos quais também agradeço e parabenizo.

  2. Não ouço muito música sacra, não é meu principal interesse. Mas devo admitir que, na sua maioria – se é que posso dizer “na maioria” – elas são músicas bem trabalhadas e muito bem compostas. Toda vez que ouço o Confutatis desse Réquiem, lembro-me da cena do filme “Amadeus”, aquela na qual Salieri está ajudando Mozart a escrever o Réquiem, e Mozart fica ditando pra ele o que ele deve pôr na partitura. É justamente o Confutatis que eles estavam escrevendo. E ao passo que Mozart fala, escutamos como trilha sonora os naipes dos cantores e dos instrumentos. Genial, talvez a melhor cena desse filme.
    Quanto à postagem, parabéns, Bisnaga. Só faltou você usar o lema do PQP: IM-PER-DÍ-VEL!!!

  3. Karajan possui uma outra versão desse Réquiem, que na minha humilde opinião é simplesmente do Caralho… Era de se esperar, afinal, é Karajan, e Karajan nunca errou…

    … Não, estou mentindo… a Grande do Schubert ficou uma verdadeira bosta… Mas em geral Karajan não comete erros…

    1. Peter Scheirer de origem alemã teve uma brilhante carreira como tenor e posteriormente migrou para a regência e Mozart foi um de seus preferidos.
      Concordo contigo em relação a gravação do Requiem do Karajan com a brilhante F. Berlim e o coro de Viena.
      E também acho fantástico o ciclo das 9 Sinfonias do Bruckner com Karajan/Berlim que para mim é um tesouro.
      Um abraço do Dirceu.

  4. Tenho várias gravações diferentes dessa obra mnaravilhosa, e cada uma tem alguma qualidade que a torna especial. Essa pelo jeito tem várias!!!

  5. Amigos do PQP Bach, primeiro, muitíssimo obrigado por qualquer coisa que postam.
    Segundo, é que preciso aprender muito sobre música clássica. Exemplo: o requiem de Mozart que procuro é exatamente aquele Dies Irae que escuto no filme Amadeus (ele compondo a luz de velas e o amigo batendo forte a porta) e, se ouvi bem, este mesmo Irae novamente no ataque de Noturno em X-Men 2. É esta (s) que procuro, antes de me aventuras por (como se diz?) “versões diferentes”, “reinterpretações”. Como faço para distiguir e saber que estou levando a que quero? Obrigado!!!

    1. Meu caro Rafael, por experiência própria posso lhe dizer que apenas com muitos anos de audição das mais diferentes versões, reinterpretações, etc, é que você vai conseguir fazer essa distinção. Posso estar enganado, mas creio que seja essa versão do Peter Schreier a versão que o Milos Forman escolheu pro seu filme. Com relação ao filme X Men fico lhe devendo essa informação. Precisaria pesquisar a Trilha Sonora do filme.

      1. Acho(!) que as músicas do Amadeus são com a St. MArtin-in-the-Fields e o Neville Marriner…

        Amadeus: The Complete Original Soundtrack Recording – 1984
        Neville Marriner (dir) & Academy of St. Martin-in-the-Fields
        Marc Grauwels (dir) & Brussels Virtuosi & Thomas Bloch (track 12)

  6. Prezados, a trilha de Amadeus foi interpretada pela Academy of St. Martin in the Fields, sob a regência de Sir Neville Marriner. No entanto, algumas das gravações do Requiem pelo próprio Marriner não soam idênticas aos trechos apresentados no filme. Basta pesquisar e baixar a trilha.

Deixe uma resposta