.: interlúdio :. John Coltrane: A Love Supreme


IM-PER-DÍ-VEL !!!

A Love Supreme — 50 anos

(Já começo desvirtuando a regra do blog: não indico o disco no título do post. Como fui convidado a ocupar algumas arestas por aqui – e não dividir a casa ao meio, diferencio para facilitar a navegação dos leitores que preferirem a programação normal. A quem preferir continuar por aqui,)

Fiquei pensando em de que forma começar desde que aceitei participar do PQP Bach. Depois de considerar algumas opções – querendo fazer uma assertiva inicial dessa escolha -, optei pela primeira idéia. Verdade: começar a falar sobre jazz com “A Love Supreme”, de John Coltrane, é arriscar demais cair num clichê. Mas o ouvinte qualificado – e o é certamente o leitor deste blog – jamais qualificaria este disco como qualquer coisa próxima a datado.

“A Love Supreme” foi gravado em uma única sessão direta, executada na ordem em que as músicas aparecem no disco, no dia 9 de dezembro de 1964. Desde lá, tem sido responsável por 33 minutos que freqüentemente o definem como uma das maiores gravações de jazz de todos os tempos. Um álbum que qualificou Coltrane como um deus do jazz – uma suíte dividida em quatro partes, dedicada… a Deus.

During the year 1957, I experienced by the grace of God, a spiritual awakening which was to lead me to a richer, fuller, more productive life. At that time, in gratitude, I humbly asked to be given the means and privilege to make others happy through music. [original liner notes]

Em 57 Coltrane havia sido deixado pelas mudanças de direção musical do quinteto de Miles Davis, e estava em péssimo estado, físico e mental, debilitando pelo vício em heroína. 7 anos depois ele estava limpo, havia tocado com Monk, liderado seu próprio quarteto, aceitado as influências das religiões orientais em sua concepção de divino – e pronto para compor sua obra-prima.

A versão aqui apresentada de “A Love Supreme” só não vai agradar aos já veteranos do assunto: é a [última] edição de luxo, que além da gravação original, traz o registro ao vivo da única noite em que a suíte completa foi interpretada. Coltrane, no entanto, teria ficado pouco satisfeito com a qualidade do áudio – o que é fato. Apesar disso é um show que mostra, 6 meses depois do álbum, que o quarteto tomava a firme direção do free jazz.

Além disso, estão incluídos takes alternativos de Resolution e Acknowledgement – estes últimos, objetos de anos e anos de espera de aficcionados por contar com mais dois músicos na formação: o sax tenor de Archie Shepp e Art Davis num segundo baixo. Os takes foram gravados no dia seguinte, 10/12/64.

A Love Supreme (320 kbps)
John Coltrane: tenor saxophone, bandleader
McCoy Tyner: piano
Jimmy Garrison: bass
Elvin Jones: drums
Produzido por Bob Thiele para a Impulse!

DISC ONE | Original Album
A1999 Part 1 – Acknowledgement 999 7:43
A2 Part 2 – Resolution 7:20
B Part 3 – Pursuance 10:42
Part 4 – Psalm 7:05

DISC TWO | Bonus
01 Introduction by André Francis 1:13
02 Part 1 – Acknowledgement (Live Version) 6:12
03 Part 2 – Resolution (Live Version) 11:37
04 Part 3 – Pursuance (Live Version) 21:30
05 Part 4 – Psalm (Live Version) 8:49
06 Part 2 – Resolution (Alternative Take) 7:25
07 Part 2 – Resolution (Breakdown) 2:13
08 Part 1 – Acknowledgement (Alternative Take) 9:09
09 Part 1 – Acknowledgement (Alternative Take) 9:23

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

John Coltrane, um clássico aos 50 anos
John Coltrane, um clássico aos 50 anos

Blue Dog

11 comments / Add your comment below

  1. Conheci o blog ontem – um achado! E tou aqui pra engrossar a camada daqueles que dão as boas vindas ao Blue Dog. Tá fininha por enquanto, eu sei, mas ela engrossa.

  2. Secha muito bem-findo Herr Hund! Uma marrafilha este gravassáo. O Família Bach acha que o chazz é gostado pela maiorria de nossos fisitantes. E temos mais de 200 fisiten por dia. Náo dê imporrtância a chente que passa o dia se enfeitando. Adorno é muito bom quando escrefendo sobre nossa família, mas parrece até meio racista quando fala de chazz. Náo há Afonso Arrinos na filosofia!Se negráo Chohn Coltrane desse uma bafo em seu nuca, Theodor mudarria suas conceitos, entschuldigung, conceiten.PQP Bach (reprresentante da lado bastarrdo da Família Bach).

  3. prefiro q nao tenha jazz aki. baixo isso em otros sites. ai a quantidade de classicos diminui… ai ja vu neh. enfim, claro q a postagem foi boa, mas nao creio q nesse espaço eh tao benvinda assim….. vai saber…

Deixe uma resposta