J. S. Bach (1685-1750): A Arte da Fuga, BWV 1080

ABSOLUTAMENTE IM-PER-DÍ-VEL !!!

Faz uns três ou quatro meses que o blog recebeu este presente. Como sou muito sacana, demorei a entregá-lo para vocês… Não, não é bem assim: na verdade achei tão extraordinário o CD, uma realização artística tão impressionante do Emerson String Quartet, que o reservei para uma data especial, um aniversário de Johann Sebastian ou… ou… a ocasião da centésima postagem de Bach em nosso blog. Sim, se você for na coluna da direita onde está a lista de compositores postados, você deverá encontrar um “Bach, J.S. (100)”. Cem CDs de papai num blog que se aproxima dos 1000 CDs!

(Esta postagem é antiga. Hoje temos quase 3000 postagens e muito mais CDs do que isto).

Ouso dizer que o P.Q.P. Bach, fundado por mim numa feia manhã de sábado para substituir os e-mails que enviava a amigos que precisavam de uma ou outra obra — pois sempre achei obsceno alguém possuir uma vasta biblioteca ou cedeteca se não fosse para emprestar, distribuir, divulgar ou, como dizemos em nosso “editorial”, polinizar –, hoje tem um acervo respeitável e variado. Orgulho-me muito deste blog que se tornou coletivo após duas semanas de existência, com o ingresso do mano F.D.P., e que depois recebeu outros colaboradores, um melhor que o outro.

Mas voltemos a esta versão da Arte da Fuga: imaginem que, dos 28 ouvintes que escreveram a respeito deste CD para a Amazon, 25 deram-lhe 5 estrelas — a pontuação máxima — e 3 deram 4.

Vou copiar aqui os dois primeiros parágrafos do capítulo sobre A Arte da Fuga do livro 48 variações sobre Bach de Franz Rueb:

Muitos músicos confessam que a Arte da Fuga é uma daquelas obras da arte universal, diante da qual só é possível calar. A obra seria o somatório da profissão de fé musical de Bach, e seu conteúdo metafísico a colocaria no limiar de outro mundo. Ela seria “a abstração na música”, “a forma pura”, “um sopro de ar claro e gelado”, “uma caixa fria” repleta de invenções melódicas cheias de vida. (…) Wolfgang Rihm escreveu: O único espaço sonoro para a realização dessa música continua sendo aquele reservado ao pensamento, situado debaixo da caixa craniana. Esse espaço, porém, é o mais amplo de todos, desde que se possa conceber em pensamento tal realidade sonora.”

Adorno chamou a Arte da Fuga de economia de motivos. Para ele, o tema é esgotado até me seus mínimos componentes e disso resulta algo perfeito. A obra seria a arte da dissecação. O resultado é uma forma de quase insuperável precisão: a fuga. O cruzamento magistral da grande e da pequena ordem, das grandes e das pequenas formas. Com a Arte da Fuga, Bach teria se voltado para o passado e para o futuro. Nela, porém, o mais importante não seria a técnica, nem as leis do ofício da música, mas expressão musical.

Bom, o que o Emerson consegue aqui… Nem vou começar a enfileirar elogios. Só vou repetir:

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Bach – A Arte da Fuga

1. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus I 3:04
2. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 2 2:44
3. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 3 2:31
4. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 4 3:30
5. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 5 2:32
6. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 6 4:10
7. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 7 3:07
8. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 8 Eugene Drucker 4:54
9. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 9 2:13
10. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 10 3:02
11. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 11 4:43
12. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 14a: Canon per Augmentationem in contrario motu Eugene Drucker 5:18
13. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 12a 1:49 $0.45
14. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 12b 1:53 $0.45
15. The Art of Fugue, BWV 1080 – Canon alla Ottava Lawrence Dutton 4:02
16. The Art of Fugue, BWV 1080 – Canona alla Decima, in Contrapunto alla Terza Eugene Drucker 3:42
17. The Art of Fugue, BWV 1080 – Canon alla Duodecima in Contrapunto alla Quinta Philip Setzer 4:12
18. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 13a Philip Setzer 2:06
19. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 13b Eugene Drucker 2:09
20. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 14: Canon per Augmentationem in contrario motu Philip Setzer 6:53
21. The Art of Fugue, BWV 1080 – Contrapunctus 14(18): Fuga a 3 Soggetti 8:06
22. The Art of Fugue, BWV 1080 – Chorale: Wenn wir in höchsten Nöten sein 3:16

Emerson String Quartet
Eugene Drucker, violin
Philip Setzer, violin
Lawrence Dutton, viola
David Finckel, cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

44 comments / Add your comment below

  1. Minha pasta de Bach conta, atualmente, com mais de 4GB de música, e posso dizer sem medo que 90% disso veio daqui. Sem contar as pastas dos demais compositores que ficam cada vez mais recheadas.

    Antigamente eu costumava, quando visitava uma loja de CDs, pular a seção Bach. Hoje é visita garantida. Fico muitíssimo agradecido a esse blog por me apresentar a música de Bach, além de disponibilizar gravações extraordnárias de vários compositores.

    Parabéns ao PQP Bach! Dois anos de muita música e cada vez menos memória livre no HD!

    Abraço a todos!

  2. Essa gravação é absurdamente fantástica! A última fuga, a famosa inacabada, é arrepiante. Eu tive espasmos, literalmente, ouvindo-a. Muitíssimo obrigado!

  3. PQP, FPD ou Clara,
    A postagem do cd AAVV – Carlos V: Mille Regretz – La canción del Emperador, La Capella Real de Catalunya, Hespérin XXI, Jordi Savall, direc, dá o seguinte erro no rapidshare:”This file is neither allocated to a Premium Account, or a Collector’s Account, and can therefore only be downloaded 10 times.This limit is reached.”
    E ainda informa que “To download this file, the uploader either needs to transfer this file into his/her Collector’s Account, or upload the file again. The file can later be moved to a Collector’s Account. The uploader just needs to click the delete link of the file to get further information.”
    Por favor atualizem o link
    Luciano

  4. Parabéns pelo blog e por chegar a centésima postagem de Bach.
    Ps. Estou quase proximo de baixar todo o conteudo de bach disponível nesse blog, portanto muitíssimo obrigado.

  5. Prezado PQP,

    Parabéns, meus sinceros parabéns ! Um dos meus HDs externoa (tenho um de 750 GB apenas para música, e mais dois de 100 GB cada um, onde faço backups do que considero mais importante, pois morro de medo do primeiro HD quebrar e eu perder tudo o que tenho…) tem 14,5 GB só de Bach, boa parte das gravações obtidas aqui e em outros blogs que garimpo todos os dias (Branle de Champaigne, por exemplo). Aliás, no Branle consegui toda a coleção BACH 2000, da Teldec, são aproximadamente 150 CDs… Fora isso, tenho umas obsessões, tipo ter uma verdadeira idolatria pelo pianista de jazz Bill Evans, de quem tenho mais de 80 CDs, fora os mp3 (mais 4 GBs de Bill Evans). Enfim, tudo isso é para lhe dizer que vocês estão de parabéns, e o que o seu blog é obrigatoriamente o primeiro onde eu entro todos, todos os dias.
    Abraço, do
    Gustavo

  6. Aliás, se estiver procurando algo, dê um toque, de repente tenho por aqui. Gostaria muito de poder colaborar mais com o blog, além de um ou outro comentário que coloco aqui. Recebo muito do blog, e preciso retribuir bem mais…
    Gustavo

  7. haha, que coincidencia PQP, upei e postei este mesmo CD ontem, la na EAB… Um bom registro, creio eu, mas voce ja viu uns videos do Musica Antiqua Koln tocando a Arte? Ali sim e TOP.
    Parabens pela otima postagem!

  8. Eduardo.

    Conheço os vídeos e o áudio. E adoro o MAK! Porém, por incrível que te pareça, acho que o Emerson foi muitíssimo superior.

    Abraço.

  9. Tenho minhas diferenças com Adorno… Algumas questões.

    Como sabes que conheci o Dr. Caro e que foi meu amigo? Já escrevi a respeito aqui? Não lembro.

    De qquer maneira, tocaste num ponto fraco… Eu respeitava muito o velho Caro que, além de traduzir o Fausto de Mann, ensinava música para quem quisesse ouvir. E de graça!

  10. Edson.

    Obviamente, respeito tua manifestação, mas sabes que eu já estou tão acostumado a considerar “A Arte da FUga” uma obra aberta em termos de instrumentação que nem chego a considerar se está mais ou menos barroco. Talvez eu esteja errado, claro, só que isto nem passa por minha cabeça.

    Abraço.

  11. Caro PQP

    Fantástico! Sou fã do Emerson! só poderia ser o nº100 de Bach, número redondo, bonito, aliás gostaría de te fazer uma pergunta, como grande conhecedor que és da obra de teu pai, claro que será uma pergunta um tanto vaga, mas vai lá então:
    Certa vez ouvi em uma rádio de Montevideu, que por sinal pegava muito mal, uma ária para soprano, acompanhada apenas por um cravo e um baixo (?), de uma melodia extremamente bela,mas não posso afirmar com certeza, pelo tempo passado e pela má recepção,e gostaría de saber, tens alguma pista de que obra pertence?

    Desculpe se lhe causar transtorno ou exigir demais de uma memória de 300 anos.

    abraços

    1. PQP

      AHH eu achei, achei a ária e aqui! Na verdade como fazia uns 15 anos que eu ouvi, eu lembrava apenas de alguns fragmentos, mas vamos deixar o mistério de lado, eu procurava a cantata BWV 54 e descobri quando baixei o cd com o Andreas Scholl postado aqui, estava debaixo do meu nariz.
      Obrigado por mais uma obra que eu encontro aqui nos eu espaço blogosférico.

      abraço

  12. Oi amigos!
    Não se aborreçam comigo, mas, não se trata da instrumentação.
    Tampouco trata-se do Emerson String Quartet que, com toda a certeza, deve ser excelente em outras obras.
    Trata-se da “interpretação” que não bate mesmo com uma obra tão fantástica quanto a Arte da Fuga como obra em si e amntem-se como “arte barroca” por excelência.
    Claro que cada intérprete ouve o que é capaz de perceber, sentir e traduzir”.
    Claro, também, que temos inúmeras outras Artes das Fugas, de inúmeros outros compositores classicos, românticos, modernosos, modernos de fato e “de lá da frente” que dão margem a inúmeras outras interpretações.
    Mas o fantástio de J.S.Bach não é justamente isto?
    É que ele, mantendo-se barroco, jamais perderá o posto de Maior Gênio de Todos os Tempos, nem hoje nem nunca.
    Um grande abraço.
    Felicito ainda mais este blog que permite, estimula e aplaude tantas percepões distintas.
    É formidável.
    Um abração a todos.
    Edson

  13. Caro PQP

    procurei ouvir na amazon trechos do Livro de Anna Magdalena, não sei ao certo se encontrei, são muito curtos, talvez seja a Aria: “Willst du mein Herz mir schenken, BWV 518, mas não dá para saber, grato assim mesmo pela indicação.

    abraço
    Rafael

  14. Bem….
    enqnto as pessoas aqui de casa estavam na praia, comemorando o reveillon, eu hehe, mais uma vez, mais mu reveillon, solitario, com meu vinho e minha lazzagna 4 queijos, estava navegando neste site!
    Ja tinha vindo aqui antes, porem, agora, alem de baixar algns Bach e Vivaldi, venho lhe dizer que vou por seu adress/link no meu blog: expressaototal.blogspot.com

    Esse site aqui é raridade e é mto rico em todos os aspectos.
    Mais uma vez, meus parabens por esta iniciativa.
    Desejo aos administradores, meu fraterno abraco e meus desejos de um ano novo prospero e de otimas realizacoes!

  15. Querido PQP,
    ratificando o afirmado pelo nosso amigo ai em cima,
    o link expirou.
    Se pudesses repostá-lo, eu agradeceríamos muito.
    Agradeço a atenção.

    Tiago.

    P.S.: Magnífico site!

  16. PQP,
    não querendo ser impertinente, mas estou muito curioso para apreciar essa versão da Arte da fuga, esse link já expirou há algum tempo; caso possas respostá-lo, eu agradeceria muito.

      1. Pois é. Se vocês, além de disponibilizarem esse acervo absurdo, ainda fossem controlar cada link que quebra, não iam fazer outra coisa da vida.

        (Não que vocês achassem isso má idéia, mas bem, postar CDs não enche barriga.)

  17. Muitíssimo agradecido pela repostagem. Foi uma bela tarde ouvindo esta “Arte”. Agora finalizo com a 4ª da Mahler, igualmente baixada daqui, e que está maravilhosamente fodástica também.

    Amplexos!

  18. “O solene patos que impregna cada uma das variações contrapontística dá a esse adeus de um gênio o caráter transcendente de arte concebida no limiar da eternidade” Karl Geiringer

  19. Muchísimas gracias!!! Por los comentarios, las recomendaciones, por el trabajo que lleva esta gran recopilación de música.

  20. E o Emerson String Quartet gravou também fugas do cravo bem temperado… As fugas XVI do livro 1 e 2 ficam muito charmosas em quarteto de cordas. Essa gravação da Arte da Fuga é a melhor que encontrei até agora. Faz quase um ano que eu não excluo do meu celular o Contrapunctus IX, que vício será este?

  21. Caro PQP Bach,

    Parabéns pelo blog maravilhoso. É ótimo encontrar boa música e boa informação. Mas gostaria de fazer um pedido.
    Imploro que revalide esse link TT_TT
    Grato, desde já!

Deixe um comentário