Olivier Messiaen (1908 – 1992): Quarteto para o fim dos tempos

Messiaen é, em minha opinião, o maior compositor do século XX. A seguir, reproduzo texto retirado daqui.

Quarteto para o fim dos tempos
Para piano, clarinete, violino e violoncelo

Composta a partir de maio de 1940 no campo de prisioneiros Stalag VIIIA e executada pela primeira vez no mesmo local no dia 15 de janeiro de 1941 para 5000 prisioneiros. A partitura é encabeçada com o seguinte excerto do Apocalipse de São Jõao (10, 1-7): “Vi um anjo poderoso descer do céu envolvido numa nuvem; por cima da sua cabeça estava um arco-íris; o seu rosto era como o Sol e as suas pernas como colunas de fogo. Pôs o pé direito sobre o mar e o pé esquerdo sobre a terra e, mantendo-se erguido sobre o mar e a terra levantou a mão direita ao céu e jurou por Aquele que vive pelos séculos dos séculos, dizendo: não haverá mais tempo; mas nos dias em que se ouvir o sétimo anjo, quando ele soar a trombeta, será consumado o mistério de Deus”.

A estruturação do Quatuor em oito movimentos é explicada por Messiaen da seguinte forma: “Sete é o número perfeito, a criação em seis dias santificada pelo Sábado divino; o sete deste repouso prolonga-se na eternidade e se converte no oito da luz inextinguível e da paz inalterável”.

1 – Liturgia de cristal

“Principia com o despertar dos pássaros entre três e quatro horas da manhã. Um melro ou um rouxinol solista improvisa, acompanhado por um conjunto de trilos perdidos no alto das árvores. Esta cena transposta para o plano religioso significa o silêncio harmonioso do céu”.

2 – Vocalise, para o anjo que anuncia o fim dos tempos

Este movimento divide-se em três partes. “A primeira e a terceira parte , muito breves, evocam o poder desse anjo. A segunda parte representa as harmonias intangíveis do céu. No piano, doces cascatas de acordes envolvem o canto monótono do violino e do violoncelo”.

3 – Abismo dos pássaros

“O abismo é o tempo, com suas tristezas e aborrecimentos. Os pássaros, pelo contrário, simbolizam o nosso desejo de luz, de estrelas, de arco-íris e de demonstração de júbilo”.

4 – Intemédio

“Scherzo, de caráter menos íntimo que os outros movimentos, mas relacionado com eles por citações rítmicas e melódicas”.

5 – Louvor à eternidade de Jesus

Neste número, “Jesus é considerado um quarto Verbo. Uma grande frase, extremamente lenta do violoncelo, exprime com amor e devoção a eternidade deste Verbo poderoso e doce, para quem os anos jamais terão fim. Majestosamente, se extenue numa espécie de tenra e suprema distância”.

6 – Dança do furor para as sete trmbetas
Do ponto de vista rítmico é a peça mais característica da série. “Os quatro instrumentos, sempre em uníssono, imitam os gongos e trombetas do Apocalipse. Em toda a obra é a única alusão ao aspecto cataclísmico do juízo final. Emprega o valor agregado, os ritmos aumentados ou diminuídos e os ritmos não-retrogradáveis”.

7 – Turbilhão de arco-íris, para o anjo que anuncia o fim dos tempos

Repetem-se aqui trechos do segundo movimento. “O poderoso anjo aparece e sobretudo o arco-íris que o cobre (arco-íris: símbolo da paz, da sabedoria e de uma vibração luminosa e sonora”).

8 – Louvor à imortalidade de Jesus

“Este segundo louvor dirige-se especialmente à segunda natureza de Jesus, a Jesus-homem, ao Verbo feito carne, ressuscitado para nos dar a vida. É todo amor. A lenta ascensão até o extremo agudo é a elevação do homem até o seu Deus, do Filho de Deus até o Pai, da criatura divinizada até o Paraíso”.

Messiaen – Quatuor pour la fin du temps, for violin, cello, clarinet & piano, I/22

1. No. 1, Liturgie de cristal
2. No. 2, Vocalise pour l’ange qui annonce la fin du temps
3. No. 3, Abime des oiseaux
4. No. 4, Intermede
5. No. 5, Louange a l’eternite de Jesus
6. No. 6, Danse de la fureur, pour les sept trompettes
7. No. 7, Fouillis d’arcs-en-ciel, pour l’ange qui announce la fin du temps
8. No. 8, Lourange a l’immortalite de Jesus

Nash Ensemble

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

7 comments / Add your comment below

  1. Caro PQP
    isso prova que é possível “Depois de Auschwitz não é mais possível escrever poesia.” Théodor Adorno, mas será que seremos o mesmos pós-Auschwitz? Messiaen talvez possa nos iluminar nossa reflexão.

  2. Salvo engano meu já existe uma postagem sobre a obra , não? E com a gravação que mais gosto:

    Claude Desurmont (clarinete),
    Luben Yordanoff (violino),
    Albert Tetard (violoncelo),
    Daniel Barenboim (piano).

  3. Essa tragédia que aconteceu durante a Segunda Guerra (como se qualquer guerra não fosse, em si mesma,uma tragédia), fala a mim muito de perto, descendente de judeus russos e poloneses, brasileiro, neto de imigrantes, como boa parte dos que aqui vivem.
    A geração dos parentes dos meus avôs, que ficaram na Europa, foi dizimada pela besta nazista. Um só se salvou, na Russia e só veio a dar notícias em meados dos anos 60. Irmão de meu avô materno, se reencontraram apenas uma vez, por uns dias, já que naquela época, as visitas eram estritamente controladas. Poucos anos depois ambos vieram a falecer, sepultando de vez esse ramo da família, já que aquele não deixou descendência.
    Talvez, por isso mesmo, sempre tive curiosidade de conhecer o que por lá aconteceu. Já visitei alguns campos de concentração, alguns museus e li muito.
    O que mais impressiona é que aqueles que lá estavam prisioneiros, sem saber se viveriam por mais um dia, se tanto, não perderam a esperança e nem se deixaram deprimir como seria o esperado. Nem ao menos sabiam se e quanta comida haveria, quantos seriam enviados às câmaras de gás, fuzilados ou mesmo submetidos a todos os tipos de tortura, seja esta física ou mental, ou ambas.
    Vi, desde os desenhos que crianças faziam no campo de concentração até literatura, poesia, arte e música.
    Quanta força havia nessa solidariedade!
    Quanta ânsia de viver!
    Oxalá essa catástrofe nunca mais se repita.
    Ao ouvir as duas versões desta mesma obra, aqui publicadas, me emocionei às lágrimas…
    Grato!

  4. Hummm…
    Desnecessário dizer o quanto esse site é importante para minha vida. Pulada essa parte, quando é que vou conseguir baixar algum Messiaen? Há nele asperezas imprescindíveis para determinadas leituras; e que também servem para sonorizar certos tons de salmão e sujeira no meu poente de subúrbio.

Deixe uma resposta