J. S. Bach (1685-1750) – Missas Breves

Uma vez, disse que tinha toda obra de Bach em CDs. Alguém me desafiou a apresentar as Missas Luteranas. Respondi que as tinha. Quiseram que eu as mostrasse, pois seriam raríssimas (descobri depois que são efetivamente pouco gravadas). Então, aqui estão elas.

Na semana passada, declarei ser ateu – não vejo gravidade alguma em ser destituído de sentimentos religiosos, é uma vantagem que possuo… -, e me disseram que era por isso que tínhamos tão pouca música sacra. Deve ser uma piada, pois amo a música sacra e a temos até em demasia por aqui. Foram palavras de quem não conhece o blog. E é notável o que posso ainda postar. Não entendo mais nada. E não me provoquem que faço uma integral das Cantatas. 69 CDs! É sério, não farei. É muito cansativo, gosto de variação e bagunça.

Apenas para situar, as partes cantadas da missa católica tradicional dividiam-se em duas categorias: o Ordinário, que consistia no Kyrie, Glória, Credo, Sanctus com Benedictus e Agnus Dei, cantadas o ano inteiro (com exceção do Glória por ocasião da Quaresma e do Advento); e o Próprio, que continha o Intróito, o Gradual, o Aleluia, o Ofertório e a Comunhão – partes que, como o nome sugere, mudavam em função das comemorações que variavam de acordo com a conveniência e com o calendário litúrgico.

Quando Martinho Lutero afixou suas 95 objeções ao Catolicismo Romano na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, em 31 de outubro de 1517, acelerando o processo de Reforma da Igreja institucional, um de seus objetivos era tornar os ofícios religiosos acessíveis ao público.

Na verdade, não tinha nada contra a música católica latina, mas propunha uma liturgia na língua da congregação, para que os fiéis participassem e o canto não ficasse restrito ao coro, num latim rebuscado que apenas uma meia dúzia de privilegiados, donos de cadeiras cativas nas igrejas, conseguiam entender.

Desse modo, nos serviços luteranos do período barroco continuaram a ser usadas partes do Ordinário latino da Missa, em arranjos polifônicos.

O Kyrie, por exemplo, era tocado no primeiro domingo do Advento, enquanto o Glória era executado no Natal e o Sanctus nos dias mais solenes, enfim. Surgia, pois, uma espécie de “missa breve”, que, embora não tivesse despertado muito a atenção dos compositores luteranos, foi musicada quatro vezes por Johann Sebastian Bach.

Tais Missas Brevis ( BWV 233 – 236 ) provavelmente originaram-se depois de 1735, ficando conhecidas como as missas protestantes (ou luteranas) de Bach. É lícito duvidar, porém, que as mesmas se destinassem a Leipzig. É muito mais provável que o seu destinatário fosse o conde Franz Anton von Sporcl, de Lissa, Boêmia. Tal senhor tinha o interesse em que as crenças protestante e católica se reaproximassem. Como a obra de Bach representa uma tentativa notável de fundir elementos litúrgicos das duas religiões, a versão não é de todo desprezível.

Ao contrário de outras grandes obras sacras de Bach – como a Missa em si menor, as paixões, as cantatas, ou o Oratório de Natal -, as Missas Brevis não têm despertado tanto o interesse dos pesquisadores e praticamente não são executadas. O fato talvez se deva à dificuldade de se conseguir o material orquestral, cuja partitura original do autor se perdeu.

A Missa Brevis em Fá Maior, como as demais, também se divide em movimentos para coro e árias para solistas com acompanhamento orquestral, segundo o modelo das Cantatas de Igreja. Esta semelhança formal das missas com as cantatas pode ser explicada pelo fato de não ter Bach composto todas as partes dessas missas, mas adaptado palavras em latim sobre antigos coros ou árias de cantatas já compostas por ele anos antes.

A despeito das diferenças, as quatro missas possuem várias características em comum e os modelos originais da maioria dos movimentos estão preservados nas Cantatas compostas por volta de 1723/26, quando Bach residia em Leipzig.

Assim, todas as Missas Brevis começam com um coro sobre o texto do Kyrie, seguido do Gloria em que coros no início e no final emolduram um número de árias. A Missa em Fá Maior é a que contém o menor número de paródias de movimentos de cantatas de igreja, ao passo que as em sol menor e sol maior consistem exclusivamente em tais adaptações.

Particularmente interessante na Missa em Fá Maior é o Kyrie. Nesta missa, o baixo vocal introduz como cantus firmus o Kyrie Eleison, Christe Eleison da Litânia (nome de outra peça de Bach) e, simultaneamente, a orquestra entoa a música do hino protestante Christe du Lamm Gottes, exemplo claro da intenção do compositor em mesclar elementos das liturgias católica e protestante.

Mais do que manifestações de determinadas formas do espírito religioso, as Missas de Bach, juntamente com a Missa Solemne de Beethoven, devem ser consideradas como pertencentes ao acervo de documentos imortais da busca de verdades eternas pelo homem. Nelas existe algo de beleza divina que, além das crenças, é artística.

Fonte: clicar aqui.

Johann Sebastian Bach – Missas Breves (ou Luteranas)

1. Messe, Bwv233 : Kyrie
2. Messe, Bwv233 : Gloria : Gloria In Excelsis Deo
3. Messe, Bwv233 : Gloria : Domine Deus
4. Messe, Bwv233 : Gloria : Qui Tollis Peccata Mundi
5. Messe, Bwv233 : Gloria : Quoniam Tu Solus Sanctus
6. Messe, Bwv233 : Gloria : Cum Sancto Spiritu
7. Messe, Bwv236 : Kyrie
8. Messe, Bwv236 : Gloria : Gloria In Excelsis Deo
9. Messe, Bwv236 : Gloria : Gratias Agimus Tibi
10. Messe, Bwv236 : Gloria : Domine Deus
11. Messe, Bwv236 : Gloria : Quoniam Tu Solus Sanctus
12. Messe, Bwv236 : Gloria : Cum Sancto Spiritu

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

1. Messe, Bwv235 : Kyrie
2. Messe, Bwv235 : Gloria : Gloria In Excelsis Deo
3. Messe, Bwv235 : Gloria : Gratias Agimus Tibi
4. Messe, Bwv235 : Gloria : Domine Fili Unigenite
5. Messe, Bwv235 : Gloria : Qui Tollis Peccata Mundi
6. Messe, Bwv235 : Gloria : Cum Sancto Spiritu
7. Messe, Bwv234 : Kyrie
8. Messe, Bwv234 : Gloria : Gloria In Excelsis Deo
9. Messe, Bwv234 : Gloria : Domine Deus, Rex Coelestis
10. Messe, Bwv234 : Gloria : Qui Tollis Peccata Mundi
11. Messe, Bwv234 : Gloria : Quoniam Tu Solus Sanctus
12. Messe, Bwv234 : Gloria : Cum Sancto Spiritu
13. Sanctus, Bwv238 : Sanctus

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Agnes Mellon (Soprano),
Barbara Schlick (Soprano),
Gerard Lesne (Contratenor)
Christoph Pregardien (Tenor),
Howard Crook (Tenor)
Peter Kooy (Baixo),

Philippe Herreweghe
Collegium Vocale Ghent (Coral e Orquestra)

18 comments / Add your comment below

  1. Grande post, mais tarde eu baixo, estrapolei o rapid…

    Eu tinha a 233 com Kurt Redel, única gravação que eu tenho dele, eu acho, junto com a 232 do Jochum, as outras Brevis eu nunca ouvi

    abraços

  2. Caro PQP, sabe que já me passou pela cabeça a idéia maluca de postar a integral das cantatas? Depois me toquei do tamanho da encrenca, e acabei desistindo… já tô me enrolando pra postar a integral de Mahler, ou até mesmo o ciclo do Anel dos Nibelungos…

  3. Caro PQP,

    Fui eu mesmo quem disse que era por isso que você não postava muita arte sacra por ser ateu, não tive o intuito de te provocar ou de desmerecer seu trabalho, só achei que você não postasse muitas por comparações a outros Blogs como o Branle de Champagne, mas não vou me justificar. Se o coment não caiu bem, sinto muito. Vejo o ótimo trabalho trabalho que faz aqui no site, e sempre estou atento para ver se chegou novidades.

    Desculpe-me, abraços.

  4. Tem um cd do Koopman excelente com as Missas Luteranas que ainda vem ”de sobra” as cantatas 80 e 30;a reparar-se que a 80 certamente é top ten!
    Trata-se do Vol 22, com 3 cds, do seu projeto da gravação completa das Cantatas;mas Herreweghe é também ”do ramo”, quase sempre garantia de boa execução,quando não excepcionais.

  5. Caro PQPBach

    Antes, dizer algo que você deve estar cansado de ouvir: seu blog é maravilhoso e presta um serviço a música que é inestimável: parabéns!

    Quanto ao seu ateísmo, eu como agnóstico só tenho a lhe dizer o seguinte: é impressionante como pessoas como nós levamos os crentes ao pecado. Ao saberem da nossa existência, eles se tornam especialistas em nos julgar, violando um preceito básico do cristianismo, qual seja, não julgar para não ser julgado. Um grande abraço

  6. Ola novamente!

    Gostaria de fazer um pedido, eu queria muito a Paixão de Cristo segundo São Mateus composto por Bach e gostaria de saber se algum dia você poderia dispor para nós, internautas assiduos do site.

    Obrigado mais uma vez, abraço

  7. O Sagrado e o Profano !?
    Bach descreve bem essa idéia aos mortais que somos neste perene mundo de servidão e apego as coisas não compriensivel aos olhos pagão.
    Se alguém mensura um dialogo Bachiano, meu imail esta aberto a dialogos do grande mestre.
    Vida longa e prospera.

  8. Ao “Príncipe”, o texto é do site Movimento.com, “cedido pela Orquestra Sinfônica Petrobras Pró Música”. PQP nunca fala de música no seu blog, senão assim por empréstimo.

  9. Meus parabéns pelo site.

    Gostaria apenas de dizer, que o cd 2 da missa breve de Bach está dando erro! Como faço para obter este album?

  10. Parabens estas obras sao fantasticas, e muito obrigado por postá-las. sou teólogo Luterano e há tempos procurava estas obras!! grande marco na historia da musica e da igreja!! Valew

Deixe uma resposta