D. Buxtehude (1637 – 1707) / J. Pachelbel (1653 – 1706) – Música de Câmara

A música de Buxtehude é imensamente parecida com a do Bach inicial. Tio Bux – imenso compositor – foi um grande modelo para meu pai. Ele fez uma longa viagem a pé para aprender composição e órgão com Bux. Ouçam a Sonata Bux 273 a fim de conferir quão “de Bach” parece aquele ostinato ao fundo com os violinos improvisando em cima. Este disco do Musica Antiqua é uma jóia diversas vezes reeditada para Archiv. Depois, divirtam-se com a versão original do Famoso Canon de Pachebel, outro excelente compositor para este instrumento esquecido que é o órgão. Como cafezinho, enquanto vocês estiverem baixando o CD, vejam o vídeo da gravação do Canon em versão com instrumentos originais do século XVIII.

Buxtehude and Pachelbel – Chamber Music
1 Sonata for 2 violins, viola da gamba & continuo in G major, BuxWV 271
Composed by Dietrich Buxtehude
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

2-6 Sonata and Suite, for violin, viola da gamba & continuo in B flat, BuxWV 273
Composed by Dietrich Buxtehude
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

7 Sonata for 2 violins, viola da gamba & continuo in C major, BuxWV 266
Composed by Dietrich Buxtehude
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

8-15 Partie á 4, for violin, 2 violas & violone (or continuo) in G major, T. 339
Composed by Johann Pachelbel
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

16-19 Partie IV, for 2 scordatura violins & continuo in E minor (Musicalische Ergötzung No. 4), T. 334
Composed by Johann Pachelbel
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

20 Aria con variazioni, for violin, 2 violas da gamba & continuo in A major, T. 341
Composed by Johann Pachelbel
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

21-22 Canon and gigue, for 3 violins & continuo in D major, T. 337
Composed by Johann Pachelbel
with Cologne Musica Antiqua
Conducted by Reinhard Goebel

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=QjA5faZF1A8[/youtube]

14 comments / Add your comment below

  1. Boa tarde PQP. Anda muito inspirado. Já comprei um HD externo pra guardar as músicas. Aproveitando a sua ” compulsão” por postar, e sabendo não atende pedidos, gostaria de pedir que postasse alguns compositores poucos conhecidos cujas obras são pouco gravadas, tais como L. Spohr, Franz Wilhelm Tausch, Carl Maria V. Weber, Karl Stamitz, J. Nepomuc Hummel, Franz Xaver Sussmayr, Michel Yost, enfim, compositores que não são populares (muitas porque não são bons mesmos…), mas gostaria de conhecer mais a obra deles.
    Desde já agradeço. Caso não me atenda agradeço do mesmo jeito.
    abraços

  2. Tenho uns concertos para clarinete de Louis Spohr, com o grande Karl Leister..
    Posso postar assim que sobrar um tempinho na agenda.

    A seu dispor,
    FDP Bach.

  3. Tenho 4 concertos do Spohr com ele e a Radio Sinfonieorchester Stuttgart e Rafael Fruehbeck de Burgo na regência. Creio que seja a mesma que vc tem. A que consegui foi via emule. Quanto ao Karl Leister, realmente, acho ele muito bom. A s suas gravações são sempre referência. Gostaria de ouvi-lo tocando o quinteto do Brahms. Os compositores que sugeri são mais conhecidos por concertos, ficando meio restrito a quem toca tal instrumento. Por exemplo, a Hummel tem um concerto para trompete e um para fagote, ambos do repertório básico destes instumentistas, mas desconhecidos do grande público. O Spohr tem vários concertos para violino, que os violinistas estudam no começo da carreira…etc etc.
    Grato pela resposta

  4. Perdões pela minha ignorância, mas como se pronuncia o nome “Buxtehude”? Alguém poderia escrever como soaria em português o nome deste bravo compositor?

  5. PQP,
    O meu próximo post seria Pachelbel…Roubou-me a ideia! A ver se os leitores gostam do meu Pachelbel com o London Baroque! 😛
    Bjs

  6. PQP, vc por acaso tem a Dies Irae, da banda Dark Moor? É uma variação do Réquiem, ma-ra-vi-lho-sa (na minha opinião, claro). Mas recomendo; eu sempre ouço antes de ouvir o Réquiem de Mozart.

  7. Olha aqui um pedacinho da tradução:

    “As notas fervem em meu peito
    As dores vão embora…

    Os primeiros violinos levam-me enquanto as harpas
    Abraçam-me como o sangue.
    A loucura bate minha maestria
    No palco meu bastão corta o ar.
    Eu sou,
    Em um mundo que nunca prosperei,
    Um homem…”

  8. Estou neste preciso momento ouvindo tio Pachelbel nesse CD com o London Baroque. Lembrei-me logo dele e foi pôr o CD. É muito bom, de certeza vão adorar.

    Faz-me lembrar um pouco o grande Biber.

    Tio Bux só vou conhecer agora, tá baixando. O Musica Antiqua é sempre uma garantia, tudo o eles gravam é excepcional

Deixe uma resposta